terça-feira, 16 de novembro de 2010

ARTIGO ESPECIAL: COMO SE ESCREVE UMA NOVELA?

Escrever uma novela...?
 Você gostaria de saber como os escritores de novelas escrevem uma novela? 

Faz ideia de como é esse processo? 
Eles escrevem no papel a historia COM A FALA DE CADA UM DOS PERSONAGENS ?
E depois oque fazem com a historia ?  Quanto tempo leva mais ou menos para escrever uma novela ?
E quantas paginas tem mais ou menos ?
Se você sempre teve essa curiosidade, eu como autor de web e roteiros para tv, embora não sendo um profissional, fui atrá da resposta profissional para vcoê leitor. Vamos lá:


O primeiro passo do autor é montar a sinopse da novela e dos personagens. A sinopse da novela é o eixo central da trama (no caso de "A FAVORITA"  de 2008 o embate entre a Flora e a Donatela e o misterio em função de qual seria a assassina). A sinopse dos personagens é a personalidade de cada um deles, mais o papel desse personagem na trama... Toda a trajetória do personagem não precisa estar resolvida, mas um papel mínimo na trama sim...


O autor não escreve a novela sozinho... Seria trabalho demais para uma única pessoa (pensa, inventar e redigir 40, 60 páginas de capítulos por dia?).


 As novelas são basicamnete escritas por um (ou dois) autores principais e um equipe de colaboradores. O autor principal orienta a cena, por exemplo: "Lara encontra Haley na faculdade, ele pede para ficar com ela, mas ela nega, se irrita e vai embora", e os outros escritores acrescentam os detalhes de cena, como ações, reações e as falas. Numa cena corriqueira, sem nada de especial, qualquer escritor com o minimo de qualidade consegue fazer. Já as cenas mais importantes e marcantes do capítulo ou da trama,é o próprio autor principal quem escreve... 


Quando uma novela começa a ser exibida, ela geralmente já tem uns 20 capítulos escritos e gravados... Não é muita coisa, porque um mês é mais ou menos o tempo que o público precisa para conhecer e se familiarizar com os personagens. Depois desse tempo, a emissora testa a recepção do público aos personagens e a trama da novela. 


E a partir daí vão mudando os personagens e assuntos. Se por exemplo um personagem teve uma recepção fria do público, ele vai perdendo espaço na novela até praticamente sumir, ou então matam ele numa atitude mais radical. O oposto tambem vale, as vezes um personagem cai nas graças do público e tem sua participaçao aumentada e um personagem secundário rouba a cena.


Dificilmente o tema principal da novela é modificado.
Pensa na próxima novela das 8h, se a Índia não emplacasse serisa muito dificil tirar isso da trama. Poderiam tentar diminuir o espaço, mas seria ridiculo uma novela com o nome de "Caminho das Indias" se passando inteiramente no Rio de Janeiro e sem nenhuma referência ao Oriente.
Já as tramas secundárias são alteradas frequentemente e nem sempre por decisão do autor, as vezes a produção da novela considera uma mudança necessária.
As vezes um ator realça tanto um aspecto do personagem, que provoca uma 
mudança na trajetória desse personagem.


Eu vou disponibilizar ab uma sinopse de personagens e uma da novela para que você tenha uma ideia do trabalho. As sinopses são as originais gentilmente cedidas pelos autores para estudo.


SINOPSE DE PERSONAGENS DE O DONO DO MUNDO (1991), DE GILBERTO BRAGA

Rede Globo de Televisão
Central Globo de Produção

Sinopse de novela das oito
para a produção

Autores: Gilberto Braga
         Leonor Bassères
         Euclydes Marinho

Direção: Dênis Carvalho
         Ricardo Waddington
         Mauro Mendonça Filho

Direção geral:     Dênis Carvalho


     Há quem acredite e afirme que o homem, em sua essência, é bom. Se isso é verdade, como se explica esse desconserto de um mundo que, no limiar do século XII, repete com sofisticado aparato tecnológico, as piores atrocidades do passado?
     Existem também, no entanto, os que acreditam exatamente no oposto, ou seja, que a própria história da humanidade é feita pelos que devoram, de um lado, e pelos que só podem se deixar devorar pelo outro.
     Felipe, no nosso protagonista, é um expressivo representante do primeiro grupo. Egoísta ao extremo, vaidoso e narcisista, considera-se acima do bem e do mal, achando que tudo lhe é permitido e lhe é devido. Para ele, as outras pessoas só existem na medida em que satisfazem seus desejos e prazeres. Cirurgião plástico cujo talento trouxe benefícios a muita gente, colocou seu sucesso profissional apenas a serviço da sua satisfação pessoal, representante que é de uma elite caduca, para a qual o comum dos mortais é lixo. Nas mãos de Felipe, as mulheres são simples brinquedos descartáveis. Stella, com quem é casado há mais de oito anos, tem sobre as outras a vantagem da grande fortuna do pai.
     Motivado por essas convicções, Felipe vai interferir de maneira desastrosa na vida de Márcia, jovem, bela, vital, pura, um desses seres, enfim, que poderiam ter inspirado essa tal crença na bondade essencial do homem.
     Nossa história surge do confronto dessas duas visões de mundo.

nota: Como acontece em todo início de novela, com a redação dos primeiros capítulos, fizemos algumas modificações nos perfis dos personagens.  Aqui vai novamente a lista, com estas leves modificações.


PERSONAGENS PRINCIPAIS

os ricos:

FELIPE - (39 anos) Atraente, forte, bonito, dominador e sedutor, nosso protagonistas. Apesar da idade, já um dos grandes cirurgiões plásticos do Brasil. Iniciou a carreira como assistente do Professor Ivo Pitanguy e, cerca de oito anos atrás, o casamento com Stella, a filha de um poderoso industrial, proporcionou-lhe a abertura de uma clínica com seu nome, primeiro passo decisivo para a ascensão profissional e, no início da narrativa, parece não ter limites. Nasceu relativamente rico, mas seus pais, Altair e Constância, foram perdendo patrimônio aos poucos, de modo que, quando começa nossa história, dependem financeiramente do filho. Desde muito jovem, em parte influenciado pelo temperamento da mãe, Felipe mostrou-se um pouco exageradamente ligado aos valores materiais da vida. Pelo pai, sempre teve ternura mas não admiração. No fundo, considera-o um fraco e nunca o perdoou por ter vendido, quando Felipe era criança, a industria de produtos alimentícios da família para Herculano, com a filha de quem acabou se casando. Ótimo aluno, inteligente, trabalhador, muito cedo Felipe acostumou-se a dividir o mundo entre vencedores e perdedores, e lutou com unhas e dentes para conquistar seu espaço entre os primeiros. Com efeito, Felipe é hoje o típico retrato do vencedor exageradamente satisfeito consigo mesmo, com suas conquistas, desprezando o que considera “comum dos mortais”. É, no entanto, suficientemente ladino para esconder dos que o cercam, em especial os empregados da clínica, este seu desprezo pelas pessoas mais modestas.
     Um traço divertido do desenho da personagem é que Felipe é supersticioso de forma quase doentia.
Conquistador compulsivo, habituou-se a ter todas as mulheres que desejou, conseguindo parecer virtuoso apenas à esposa, por quem tem um grande respeito e carinho, mas não exatamente amor. Stella é inteligente, culta, viajada, o tipo de esposa conveniente à sua ascensão, para a qual, com efeito, contribuiu e continua contribuindo bastante. Com o melhor amigo, Júlio, seu assistente pessoal e companheiro de todas as horas, Felipe costuma fazer apostas quando surge à sua frente uma mulher desejável que lhes pareça uma conquista difícil. Felipe se orgulha, a cada mês, de ter conquistado “mais uma esposa virtuosa”, ou “mais uma viúva inconsolável”. Seu sogro tem quase certeza destas infidelidades e, com freqüência, ameaça Felipe das maiores punições caso o grande cirurgião venha algum dia a fazer sua filha sofrer. Além da forte devoção à carreira – traço dominante de sua personalidade – Felipe é muito apegado a todo o glamour do mundo dos ricos. Tem já uma bela coleção de quadros e objetos de arte, um universo que o fascina. Quando começa a nossa história, além da clínica, em que o sogro Herculano é seu sócio, Felipe tem um belíssimo apartamento no Rio, que ainda esta pagando. Frequentemente, Herculano, o sogro, o critica por ir com muita sede pote, ter tendência a dar o salto maior do que as pernas, endividar-se para usufruir de todos os luxos de que tenha conhecimento. Baseado apenas em força de trabalho, um grande talento e sucesso profissional, Felipe leva uma vida luxuosa acima das suas reais possibilidades materiais, porque no início de nossa história sua verdadeira segurança material ainda vem do sogro. Apesar disso, Felipe sente-se o dono do mundo, o todo-poderoso, o vencedor capaz de conseguir qualquer coisa que deseje.

JULIO (36 anos) - Administrador da clínica de cirurgia plástica e uma espécie de assessor para todos os assuntos de seu melhor amigo, Felipe, que lhe inspira ao mesmo tempo grande admiração e um certo medo. O servilismo de Júlio é disfarçado por uma grande simpatia, o rapaz é uma figura agradável de quem a maior parte das pessoas tem tendência a gostar. Casado com Karen, o casal tem um filho de 8 anos, Marcelo. Júlio e Karen vivem no mundo dos ricos sem ter cacife. O equilíbrio financeiro da casa vem do fato de Júlio criar o sobrinho, Paulo, filho de sua falecida irmã, cujo jovem viúvo, Rodolfo, é muito rico.

KAREN - (32 anos) esposa de Júlio, muito ambiciosa, está sempre reclamando que o marido não tem o nível de vida que merece. Cria o sobrinho Paulo, cuja gorda pensão é a principal fonte de renda da casa. Bajuladora, subserviente com os ricos. Falsa amiga de Stella, a esposa do protagonista. Dona de uma galeria de arte, freqüente ponto de encontro de nossos personagens classe A.

MARCELO - (11 anos) Filho de Júlio e Karen, primo de Paulinho.

ZORAIDE - (58 anos) Sócia de Karen na galeria de arte. Simpática, inteligente, elegante, espirituosa, um pouco cínica. Ao contrário Karen, Zoraide deverá conquistar a simpatia do espectador. Melhor amiga de Olga, sua confidente. Com freqüência, Zoraide toma pileques memoráveis, que não pretendemos criticar, porque nossa personagem não é uma alcoólatra. Nascida na França, de onde nos chegou no início da adolescência, alguns de nossos personagens pronunciam seu nome em francês. Na segunda parte da história, Zoraide vai ser sócia de Márcia, a protagonista, num antiquário.

HERCULANO — (52 anos) Sogro de Felipe, milionário, um self-made­-man, muito seco, um pouco tosco, mas não sem chame. Nasceu pobre numa fazenda nos arredores de Ribeirão Preto e chegou, às custas de muito trabalho, a ser dono de uma holding cuja principal empresa é uma indústria alimentícia. Viaja muito, a negócios. Ao contrário de Felipe, não esbanja dinheiro, prefere se hospedar em hotéis a acumular residências pelo mundo, como certamente faria nosso protagonista se tivesse o patrimônio deste sogro. Viúvo, tinha com a mulher precocemente falecida uma vida afetiva bastante realizada. O casal teve duas filhas: Stella, casada com Felipe, e Yara, agora com dezenove anos, a grande paixão do pai. Herculano não tem muita certeza de que Stella tenha um casamento feliz e sua maior obsessão é casar bem a filha mais nova, que mora com ele em Ribeirão Preto, base de sua indústria alimentícia, comprada do pai de Felipe. Por causa de uma queda de cavalo na infância, Herculano tem um leve defeito na perna e caminha com a ajuda de uma bengala. Apesar da secura quase incomodativa e um autoritarismo gritante, Herculano está longe de ser uma pessoa má. Em certos momentos, é capaz de gestos de grande generosidade.

STELLA – (28 anos) Esposa de Felipe, bonita, educada, muito fina, filha de Herculano. Sua mãe morreu quando era ainda muito jovem e sua irmã, que ela ajudou a criar, uma criança. Estudou na Suíça e aproveitou bastante sua educação requintada, o que a transformou na mulher ideal para a ascensão profissional de Felipe, a companheira perfeita para o grande cirurgião cada vez mais próximo ao universo do internacional set, ao qual Stella tem acesso via algumas amigas européias, ex-colegas de colégio interno. Uma moça adorável, de quem todos gostam. Inteligente, divertida, muito culta, elegante, tem sido a companheira ideal para a ascensão profissional do grande cirurgião. Estudou Jornalismo, mas não seguiu carreira porque a atividade profissional não era compatível com o trabalho full time de mulher de celebridade. Quem a vê circulando com tanta segurança nos melhores ambientes do primeiro mundo dificilmente a imaginaria filha de Herculano, o milionário simplório, que ao glamour do mundo dos muito ricos, prefere a cidade do interior de S.Paulo onde nasceu. Desde o instante em conheceu o marido, Stella apaixonou-se perdidamente por Felipe, com quem veio a se casar seis meses depois. Adora o cirurgião. Inicialmente, não desconfia nem de leve de suas infidelidades. Não por ser ingênua, em absoluto, mas porque Felipe é inteligente, calculista, sabe ter seus casos extraconjugais mantendo sempre as aparências e colocando sua harmonia com a esposa acima das aventuras. O fato de não se envolver emocionalmente com nenhuma de suas conquistas ajuda bastante Felipe a fazer da esposa uma mulher feliz. A única frustração de Stella é se u marido não querer ter filhos, porque ela adoraria ser mãe. Forte,  com a vocação da felicidade e do equilíbrio, Stella carrega este estigma sem grandes traumas, o fato de não ter filhos é apenas um leve toque de tristeza no mundo harmonioso em vive. Seu traço dominante é a grande paixão pelo marido, que ela vai apoiar sempre, por mais terríveis que possam ser os conflitos desencadeados pela história da novela. A partir da crise conjugal, Stella terá uma relação de amizade com Rodolfo, um rapaz simpático que descreveremos adiante.

IARA - (19 anos) A irmã de Stella, filha de Herculano. Inicialmente, mora com o pai no interior de S. Paulo. Muito bonita, meiga, sensual. Ótimas relações com irmã Stella. Tem uma leve atração pelo cunhado Felipe mas bloqueie totalmente estes impulsos. Nosso cirurgião tem pela jovem cunhado um desejo intenso mas Yara é o fruto proibido.. Por caiE amoral que seja Felipe, sua dependência financeira do sogro e seu relativo respeito pela esposa o impedem de pensar em conquistar a jovem Yara. Herculano não gosta muito do mundo - a seu ver dominado por futilidade - em que vive a filha cais velha, Stella, em parte por causa das inclinações de Felipe, seu marido. Acha que essa história de ter mandado a filha estudar na Suíça não contribuiu muito para a felicidade de Stella. Por isso, fez questão de manter a filha mais jovem, Yara, perto dele. Quer para Yara um Casamento com um homem em quem ele tenha mais confiança, um homem mais parecido com ele.
        Inicialmente, Yara e mimada, um pouco inconseqüente. Terá um envolvimento amoroso com Beijaflor, logo dissolvido. Mais tarde, ficará entre Rodolfo, apaixonado por sua irmã Stella, e Umberto, personagem do núcleo dos pobres, irmão de Beijaflor. É pelo casal Yara e Umberto que o público deverá torcer.

ALTAIR — (62 anos) Pai de Felipe, casado com Constância, por quem sempre foi totalmente dominado. Nasceu rico mas, por não ter a vocação do mundo dos negócios, obrigado, trinta anos atrás, a vender para seu ex-empregado Herculano a indústria que proporcionou a ascensão do sogro de nosso protagonista. Nos primeiros capitules, tem um cargo público e reside em S.Paulo com a esposa Constância. A perda deste cargo faz com que os dois tenham que vir morar no Rio, onde Altair (industriado por Constância) tem a esperança de conseguir outro cargo público. Na verdade, Altair nunca produziu de verdade. Dedicou—se enquanto pôde aos prazeres reservados aos ricos. Apaixonado por golf, notável gourmet e cozinheiro, discretamente mulherengo. Quando se sentir interiormente mais forte, no meio da história, Altair vai abrir um restaurante. Primeiro, ao lado da esposa Constância, patrocinado pelo filho. Não vai dar certo. Depois, Altair deixara de lado suas tendências megalômanas para vencer por si mesmo, enfrentando um bom fogão. Antes disso, terá de abandonar a esposa para assumir sua paixão por Isabel, bela e simpática negra bem mais jovem do que ele.

CONSTÂNCIA — (61 anos) Esposa de Altair, mãe de Felipe. elegante, atraente, nasceu muito rica mas sua família, da chamada aristocracia rural de S.Paulo (os paulistas que orgulhosamente se intitulam “quatrocentões”) só fez perder dinheiro a partir do final da década de vinte, com a crise do café Assim, de dinheiro mesmo Constância só sentiu o cheiro longínquo na primeira infância. Da família, herdou a pose, a certeza de fazer parte de uma elite com direito a tudo, a classe dominante a quem o comum dos mortais deve servir. Mulher extremamente dominadora, arrogante. arraigada a convenções, foi ela, de certa forma, quem incentivou no filho Felipe o culto do dinheiro. Subserviente com quem lhe interessa, Constância acostumou—se, nos últimos anos, a ajudar Felipe a esconder da esposa suas infidelidade, consciente de que, na hipótese do casal vir a se separar, seu filho terá dificuldades em continuar a manter o nível de vida que ela própria vem levando. Aduladora, tem ótimas relações com a nora, Stella. Logo no início da narrativa, Constância, por problemas financeiros, vai ser obrigada a se mudar, juntamente com o marido, para o mesmo prédio carioca em cuja cobertura mora uma de nossas personagens principais, Olga, mulher simpática, muito bem relacionada na alta sociedade do Rio de Janeiro, por quem Constância sempre teve uma forte antipatia. Dona de grande chame e alegria de viver, Olga recebe muito, seu apartamento está sempre cheio de políticos e empresários, em parte atraídos pela beleza e juventude de mocinhas que Olga ajuda a subir na vida. As senhoras mais conservadoras vêem nela una arrivista, e Constância fará todo o possível para expulsar Olga do prédio onde moram, em nome da moral e dos bons costumes.
       Constância é, sem dúvida, quem usa as calças dentro de casa. Vive preocupada em aumentar seu pequeno patrimônio, três ou quatro apartamentos alugados, algumas ações. Não sente o quanto é mesquinha e ridícula ao jogar, com pouquíssimo dinheiro, na bolsa de valores. Lê todas as manhãs a Gazeta Mercantil e o Jornal do Comércio. Esta sempre em litígios, querendo expulsar um inquilino no intuito de aumentar sua pequena renda. Apesar de posuda, Constância não é absolutamente desprovida de humor.

RODOLFO - (24 anos) Bonito, sedutor, nosso cirurgião salva sua vida no primeiro capítulo da telenovela, após um acidente. Rodolfo era louco pela esposa que morreu precocemente, durante o parto de seu único filho, Paulo, agora com 8 anos de idade. Rodolfo jurou nunca mais se envolver com mulher alguma. Seu filho Paulo, é criado pelo tio Júlio, irmão de sua falecida mãe. Na verdade, Júlio e a esposa Karen convenceram Rodolfo de que ele não tinha condições de criar o menino, para tirar partido da situação, já que Rodolfo tem uma renda considerável e passa a contribuir cara o sustento da família do cunhado com uma polpuda pensão. Rodolfo estudou Jornalismo. Na época da morte da esposa, fazia grande sucesso como correspondente estrangeiro de uma estação de tevê. A partir da grave crise existencial desencadeada pela morte da esposa, Rodolfo trocou o idealismo por uma profissão rendosa, embora menos estimulante, intelectualmente. Dono de uma firma de compra de filmes estrangeiros que revende para nossas emIssoras de tevê. Inicialmente, mora no estrangeiro e não se liga a mulher alguma, tem uma tendência à autodestruição e uma relação difícil com o filho Paulo, criado por Júlio e Karen, já que o menino se sente rejeitado.
     A partir de uma forte relação de amizade com Stella, a esposa do cirurgião plástico, Rodolfo vai compreender que fixar residência no Rio e assumir a educação do filho são atitudes que podem dar sentido à sua vida. Ao pedir ao ex-cunhado a guarda do menino, Rodolfo cria sérios conflitos com Júlio e Karen, que perdem sua galinha dos ovos de ouro. Nossa intenção é mostrar uma bonita relação de pai e filho. Além de resolver criar Paulinho, Rodolfo, incentivado por Stella, volta ao idealismo de juventude e funda uma produtora independente de programa de tevê para a qual Stella irá trabalhar na segunda parte da narrativa, após a queda profissional do seu marido. A amizade entre Rodolfo e Stella deverá crescer como uma bola de neve ao longo da narrativa. Stella não tem filhos e vai se afeiçoar muito ao simpático filho de Rodolfo.
     Rodolfo e Stella vão manter ao longo de muitos capítulos uma bonita relação de amizade homem-mulher. É ele quem vai amparar Stella em suas piores crises, seus conflitos com o marido e com o pai. A partir de um determinado momento, Rodolfo terá de reconhecer para si mesmo que está apaixonado por Stella e que a paixão da moça por um marido que só a faz sofrer é doentia. O publico deverá torcer para que Stella desista de seu amor por Felipe e se ligue definitivamente a Rodolfo. Nesta fase, Constância, manipuladora, vai querer o filho Felipe ao lado de sua esposa Stella, tendo de separar, para que tal aconteça, os casais Rodolfo e Stella, e Yara (que gosta de Rodolfo) e Umberto.
     Generoso, numa fase adiantada da narrativa, Rodolfo vai financiar para Altair o restaurante que vai lhe permitir assumir seu amor por Isabel e abandonar a esposa Constância.

PAULINHO – (8 anos) Simpático,   bonito, o filho de Rodolfo, bela relação de companheirismo com o pai. Inicialmente, mora com o tio, Júlio, e sua esposa Karen.

OLGA - (58 anos) Sem ser propriamente bonita, Olga é uma mulher de charme magnético, extremamente elegante, capaz de seduzir com sua verve praticamente qualquer ressoa que dela se aproxime. Brilhante, espirituosa, é a alegria da festa em reuniões da chamada sociedade carioca, ainda que não seja bem vista pelos mais conservadores. De um modo geral, os jovens, mesmo bem nascidos, gostam de Olga, os homens também. Entre as senhoras de sociedade, no entanto, só se aproximam de Olga as que têm idéias mais modernas, cabeças mais arejadas. Sua grande antagonista na nossa história é Constância, um símbolo de conservadorismo. Esta implicância tem alguma razão de ser, porque Olga, apesar de simpaticíssima e envolvente, é uma pessoa completamente amoral. Boa gente, sempre disposta a ajudar quem precisa, especialmente os menos favorecidos pela fortuna, Olga vive há muitos anos uma vida de grande luxo, sem ser rica em absoluto. Mora bem, num espaçoso apartamento alugado. Viaja muito, é badalada, mundana. Qualquer relações públicas terá Olga como figura de proa em sua lista de convidados para eventos sociais. Já para um grande casamento, mãe e noiva vão pensar duas vezes antes de incluí-la entre os convidados. Porque aparentemente Olga vive da profissão de marchand, compra, vence e troca quadros, tapetes, obras de arte... Algumas contrabandeadas, porque Olga sempre teve grande influência nos meios políticos, nunca deixou de ser amiga íntima de pelo menos um ministro por governo, o que lhe proporciona há muitos anos embarques e desembarques sem que seja revistada em aeroportos. Está longe de ser uma marginal. Não faz nada que, a seu ver, possa prejudicar alguém. Traz, por exemplo, Cada vez que viaja a Nova Iorque ou à Europa, uma meia dúzia de tapetes para revender. E ajuda mocinhas atraentes e eventualmente rapazes que considere talentosos, interessantes, pessoas que, no seu entender, mereçam subir na vida. Promove encontros. Em seu apartamento, especialmente nos finais de tarde, muitos homens de negócios sabem que podem encontrar companhia feminina interessante. Se Olga sabe, por exemplo, que um determinado empresário, conhecido seu, se interessou por uma moça que viu em alguma boate, Olga dá um jeito de, diante do empresário, dizer que “pode lhe apresentar a fulana, acho que ela vai simpatizar muito com você!” Para tal, é preciso que ela dê um jantar em homenagem a sicrano, para dar o jantar ela deixa escapar que precisa trocar os estofados de seus sofás, que não tem meios, também, para arcar com as despesas da festa, e assim, com uma simples apresentação, Olga reforma a casa e ainda garante uísque para uma boa quinzena de badalação. Dependendo do nível da moça que conta com o seu apoio, Olga pode simplesmente conseguir uma boa companhia de fim de semana para um industrial ou promover casamentos. Quando junta um casal, Olga está sempre certa de que não está prejudicando ninguém, muito pelo contrário: arruma companhia para um homem eventualmente sem charme, e proporciona as boas coisas da vida a mocinhas que não tiveram a sorte de nascerem ricas. Quem com ela simpatiza, quando este assunto vem à baila, a chamaria de “matchmaker”.
Logo no inicio de nossa historia, uma dessas moças ajudadas por Olga será nossa personagem Taís, estrela de forte trama paralela. Em seguida, nossa heroína Márcia vai bater à sua porta também à espera de ajuda.
(Constância e Altair, os pais do cirurgião nosso protagonista, vêm morar no Rio porque Altair está prestes a conseguir um bom cargo público, no campo do turismo. Há um bom apartamento vago no prédio de Olga, onde moram Júlio e Karen, aluguel relativamente barato num prédio de categoria, porque antigo e um pouco decadente. Júlio diz a Felipe: “o problema é que sua mãe não costa de Olga, que mora no prédio”. Felipe responde: “não compete a mim resolver, a decisão é dela”... Constância gosta do apartamento mas não quer alugá—lo quando sabe que Olga mora ali. Há logo um choque entre as duas, um forte antagonismo que vai durar toda a narrativa, Constância representando os valores mais conservadores e Olga um mundo mais solto, sem preconceitos morais e impregnado de cinismo. Constância interessa-se por um apartamento caríssimo, na Avenida Ruy Barboza. Só o condomínio deste famoso prédio custará a seu filho mais do que o aluguel de um bom apartamento. Herculano, o sogro, impede Felipe de fazer mais essa loucura. Constância é levada a visitar um apartamento menor, em prédio de quatro imóveis por andar. Diante da hipótese de ter que dar às amigas, como endereço, um “apartamento 704, Constância prefere o prédio de Olga, garantindo que vai expulsar a antagonista do edifício. Com efeito, logo ao se mudar, começa uma campanha para desmoralizar Olga e obrigá-la a deixar o edifício. As duas brigam feio. Como vingança, Olga, que tem boas relações no mundo da política, consegue o cargo de Altair para um protegido seu. E a guerra entre Olga e Constância está lançada, para durar nossos 180 episódios.)
     Na segunda parte da narrativa, Olga vai viver uma difícil história de amor com Lucas, um marceneiro charmoso, símbolo de simplicidade, homem extremamente resolvido, de bem com a vida, totalmente contrário ao mundo de futilidade em que vive a mulher por quem sente uma irresistível atração.

WILLIAM - (28 anos) Um pouco gordo, extremamente tímido, introspectivo, herdeiro de uma imensa fortuna, entra em cena na segunda parte de nossa narrativa. Seu pai, um milionário amigo de Olga residente ao mesmo tempo no Brasil e Portugal, morre inesperadamente. Sozinho no mundo, William tem que optar entre a vida no Brasil ou Portugal. Seu grande sonho é se casar com uma mulher desinteressada de sua fortuna. Acha a maior parte das brasileiras muito ligadas em dinheiro e com temperamento forte demais. As moças portuguesas lhe parecem menos modernas, mais românticas. William confessa a Olga que só não deixaria o Brasil caso acontecesse o milagre de uma moça atraente se apaixonar por ele sem interesse por sua fortuna. Olga, naturalmente, faz com que este milagre se concretize logo, industriando Taís, nossa importante personagem de história paralela, numa campanha para agarrar o ingênuo e patético William. Assim, no meio da história, Taís se casa com O poderoso herdeiro, fazendo uma ascensão impressionante de empregada doméstica e posteriormente garota de programa de alto nível à perua da melhor sociedade carioca.

ARLINDO - (28 anos) Jovem médico, muito tímido, bom profissional, ambicioso. Trabalha na clinica de Felipe. Vai ser traído pelo grande cirurgião e passar um tempo no estrangeiro. Quando voltar, vai reencontrar um novo Felipe, derrotado, desprovido da arrogância que o caracterizava. Vai perdoar o homem que o prejudicou e tornar-­se, na segunda parte de nossa história, um de seus principais companheiros.


os pobres

MÁRCIA — (20 anos) A protagonista. Belíssima, sensual, inicialmente não tem muita consciência de que exerce um grande fascínio sobre os homens. Aparece na novela como moça vital, sorridente, ainda um pouco criançona, um raio de luz que ilumina a telinha com seu sorriso, alegria e entusiasmos juvenis. Seus pais morreram num desastre de carro quando Márcia era muito nova. Foi criada pela tia e madrinha Nanci, uma boa senhora, carinhosa mas docemente dominadora. Ao contrário da maior parte das moças de sua idade, Márcia ainda é virgem. Nunca pensou muito em sexo. Nem mesmo em amor. Quem lhe aponta estas particularidades, no primeiro capitulo, é sua simpática vizinha e amiga Taís, a moça mais livre da rua onde moram, num subúrbio carioca. Nanci nunca viu com bons olhos a amizade entre Márcia e Taís, mas agora nossa boa senhora pouco tem a temer. Márcia está de casamento marcado com Walter, um rapaz exemplar, vizinho delas, técnico em informática que trabalha na clínica de nosso cirurgião plástico. Walter é um rapaz tímido, extremamente convencional, antiquado, namora Márcia há quatro anos e não quer ter relações sexuais com ela antes do casamento. Márcia aceita esta situação sem grandes elaborações psicológicas. Rapaz honesto e trabalhador, Walter parece ter diante de si uma bela carreira, porque conseguiu se tornar muito cedo um excelente profissional no campo da informática. Walter e Márcia se conheceram adolescentes, namoraram por uns três anos, ficaram noivos e estão de casamento marcado quando começa a nossa história. Vão passar a lua de mel num aprazível hotel-fazenda nos arredores do Rio. Márcia gosta do noivo e a única pessoa, em seu reduzido círculo de amizades, que não vê neste casamento um caminho certo para a felicidade é Taís, a jovem amiga com quem a madrinha de Márcia não simpatiza. Taís acha que Walter é indubitavelmente um com rapaz, apaixonado por sua amiga, mas tem certeza de que só isso não é suficiente para que Márcia seja feliz. Considera a protagonista muito infantil, desligada de valores essenciais para se tornar uma mulher realizada. Intui que Márcia não é realmente apaixonada pelo noivo, apenas aceitou a corte que lhe fez Walter por comodismo e total inexperiência. Porque, com efeito, Márcia pouquíssimo conhece da vida. Quando terminou os estudos de segundo grau e sentiu vontade de trabalhar, a madrinha Nanci logo lhe arrumou uma colocação numa creche. No trabalho, Márcia é a alegria das crianças, a quem dá muito carinho, divertin­do—se como se fosse uma delas. Às vezes, este amor com crianças faz com que Márcia tenha vontade de estudar Pedagogia, mas Walter, seu noivo, a influencia tara que ela não se torne uma profissional. Se gosta de crianças, tem que ser antes de mais nada mãe de família, pelo menos enquanto tiverem filhos pequenos, para poder se dedicar integralmente à sua educação. Walter, o bom rapaz da rua, interessou-se por Márcia assim coe ela estava em idade de namorar, foi ele por vários anos sua companhia mais constante.
     Quando a amiga Taís pergunta a Márcia, às vésperas do casamento, em nosso primeiro capitulo, se ela ama o noivo, Márcia, sempre muito honesta e pura, só sabe responder que gosta dele, sente—se protegida do seu lado, não imagina o que mais possa desejar uma mulher. Taís, apesar de jovem bastante vivida, sabe que uma mulher, com efeito, pode e deve desejar muito mais, e que Márcia vai fazer um casamento cômodo porque não conhece a vida, está-se deixando influenciar totalmente cor um noivo muito convencional.
     Uma atração irresistível de Felipe, o protagonista, por Márcia e o total desrespeito do grande cirurgião pelo “comum dos mortais” vão desencadear acontecimentos que provam que Taís estava mais do que certa. Em vez da pacata lua de mel de classe média que esperava Márcia, ela vai viver um drama com epílogo trágico e vai ser humilhada por Felipe de forma contundente. Desta humilhação, vai nascer uma nova Márcia, vingativa, amarga, decidida a concentrar todas as suas forças em destruir o grande cirurgião. Esta personagem rancorosa é quem desencadeia a história da novela.

NANCY - (45 anos) A típica carioca de subúrbio, viúva simpática que se dedicou totalmente a criar sua sobrinha Márcia e seus filhos Umberto e Beijaflor (Guilherme). Viúva há poucos anos, trabalha como funcionária do Museu da Quinta da Boa Vista. Nancy é ingênua, pura, orgulhosa dos deliciosos pratos que faz para os almoços de domingo, muito distanciada do mundo sofisticado em que vive a maior marte de personagens de nossa narrativa. Vai se envolver bastante nos dramas da afilhada Márcia, a protagonista, e de seu filho Beijaflor, um jovem candidato a marginal, herói de trama paralela em romance com Taís.

JUDITE – (37 anos) Colega de Nanci no Museu da Quinta da Boa Vista a vizinha no bairro, frequenta a casa de Nanci.

UMBERTO – Filho de Nanci, primo da protagonista Márcia e irmão de Beijaflor.    Um bom rapaz. Apaixonado por     musica, e um bom pianista, dá aulas de piano em casa. Tem grandes dificuldades profissionais. Através dele, vamos tentar analisar a difícil do músico no Brasil. Durante uma certa fase,   por não conseguir se sustentar como músico, vai ser garçom a exemplo de seu tio Darci. Umberto terá ligação romântica com a jovem Yara, do mundo dos ricos.

DARCI - (40 anos) irmão de Nanci. Garçom profissional sem grandes ambições, bastante satisfeito com seu trabalho status. Ajudou a irmã a criar os sobrinhos. Vai ter um a ligação profissional com a personagem Olga, na casa de quem vai servir, em festas. Mais tarde, viverá um romance difícil com Ester, uma mulher mais velha do que ele. A dificuldade da relação não será a diferença de idades e sim a hierarquia social. Ester tem situação financeira superior à dele, Darci é um machão que não vai se conformar com a hipótese de sua namorada lhe pagar contas. Triângulo com a jovem Gilda, do núcleo dos moeres.

BEIJAFLOR - (26 anos) Jovem bonitão, filho de Nanci, irmão de Umberto, primo da protagonista Márcia. Ambicioso, sonha com uma vida melhor. Um pouco preguiçoso, não tem a forca de vontade de seu irmão Umberto para vencer na vida. Através deste importantíssimo personagem de trama paralela, queremos colocar no ar a pergunta “como não ser marginal num Dais onde o salário mínimo e de cinquenta dólares por mês?” Beijaflor e, na verdade, um fraco. Para se locomover do subúrbio onde mora ao centro do Rio, pratica o perigosíssimo jogo conhecido como surf ferroviário, quer dizer, viaja de pé sobre o trem em movimento, arriscando a vida. É frequentemente tentado pelo mundo da marginalidade, especialmente porque um colega de adolescência, Ladislau, nosso personagem bissexto, vai fazer uma carreira vertiginosa no mundo do crime. Desde o início, Ladislau estará sempre tentando levar Beijaflor para o caminho do mal, inicialmente apenas para ajudar em pequenos furtos. Mas o crime não é a vocação de Beijaflor.

TAÍS - (26 anos) Bonita, extremamente sensual, a melhor amiga de Márcia ao longo de toda a novela. As duas foram colegas desde meninas. No início do ginásio, Taís largou a escola para trabalhar, mas não consegue se fixar em emprego, revoltada contra as poucas chances da mulher pobre numa sociedade capitalista. No início da história, trabalha como bilheteira de um cinema da Praça Peña. Muito ambiciosa, sonhou desde pequena com o mundo dos ricos. Filha de Vicente, um motorista de praça vizinho de Márcia e Nanci em nossa rua de subúrbio, e Almerinda. Vicente foi pai um pouco tarde, psicologicamente é quase aquele avô carinhoso que sempre fez vista grossa para os defeitos da filha e suas eventuais falhas de caráter. Mimou-a bem mais do que necessário, não conseguiu ter qualquer tipo de autoridade sobre a filha nem lhe passar seus princípios morais. A mãe, Almerinda, é passiva. O resultado é que, quando começa a narrativa, Taís, a moça livre tão criticada pelas senhoras da rua, está mesmo começando uma carreira de garota de programa, a partir de encontros num inferninho de Copacabana, quando tem alguma necessidade financeira mais urgente. Taís vai ter uma grande paixão por Beijaflor, o jovem candidato a marginal. A história de amor desses dois será nossa principal trama paralela. Juntos vão tentar rejeitar suas inclinações negativas para vencerem meio caminho do bem. Nenhum dos dois tem realmente ma índole. Mas não vai ser fácil. Pelo amor de Beijaflor, Taís vai se empregar como doméstica na casa de Olga. Ajudada por nossa alcoviteira, vai se transformar em neo-cortesã de alto gabarito e, no meio da novela, fazer um casamento de conveniência com o riquíssimo William e virar granfina — sempre assediada por Beijaflor, o grande amor de sua vida.


VICENTE - (53 anos) Pai de Taís e Gilda, morador da rua de subúrbio onde residem nossos personagens piores. Motorista de praça cheio de problemas financeiros, dirige carro de frota, ganhando bem pouco. Um lutador, boa gente, meigo. Tem tendência a fantasiar um mouco a realidade, dizendo sempre que está tudo bem ou vai melhorar amanhã. Muito orgulhoso de suas filhas Gilda e Taís.

ALMERINDA - (48 anos) Mãe de Taís e Gilda, esposa de Vicente. Dona de casa de universo muito limitado, adora o marido e as filhas. Tem uma linda relação marido-mulher com Vicente, que ela sempre apóia em tudo, admira, ama.

GILDA - (24 anos) Irmã de Taís, filha de Vicente, boa moça, simpática, sem as pretensões a ascensão social da irmã. Secretária de Júlio na clínica de cirurgia plástica. Mais tarde, vai se apaixonar por Darci, fazendo triângulo amoroso com Ester, a mulher madura.

WALTER - (26 anos) Noivo de Márcia, a protagonista. Rapaz  extremamente antiquado, convenceu a noiva a permanecer virgem até a noite de núpcias. Na verdade, é muito inseguro, ciumentíssimo, e só se casando com uma virgem acha que pode ter a garantia de que jamais será traído. Sério e estudioso, formou-se recentemente em informática. Funcionário querido da clínica de cirurgia plástica de Felipe, o protagonista, cuida de toda a manutenção dos computadores, bola novos programas, etc. Walter e Márcia estão de casamento marcado O primeiro capítulo. Casa montada com todo o conforto, no mesmo subúrbio do núcleo dos pobres. Talvez a obsessão de Walter em se casar com uma virgem venha do fato de - vamos descobrir mais tarde - ter sido ele, na adolescência, o primeiro homem da vida de Taís, que ele sabe estar enveredando por caminhos nada virtuosos. Walter é ingênuo, puro, e tem verdadeiro fascínio por seu chefe Felipe, o protagonista que despreza o comum dos mortais. Participação especial cara os primeiros capítulos.

TABAJARA - (32 anos) Pai de Walter e Xará, funcionário da Câmara dos Vereadores, situação financeira estável. Tem um grande orgulho do filho Walter e é em sua casa que vai se realizar, no segundo capitulo, a festa de casamento de Walter e Márcia. Tabajara tem um caso com a vizinha Isabel, bela negra que ele não assume, em parte cor causa do convencionalismo de seu filho Walter. Participação especial para os primeiros capítulos.

XARA - (Alfredo) (24 anos) O outro filho de Tabajara. Nunca foi estudioso como o irmão Walter.    Não pára em emprego e, como
Beijaflor, vive tentado pelo mundo da marginalidade. Influenciado pelo vizinho boa praça Darci, está tentando a profissão de garçom. Ao contrário do irmão Walter, acha perfeitamente natural que o pai se case com Isabel, porque não tem preconceito de cor. Gosta de Taís, a jovem vizinha barra pesa da do bairro.

ISABEL - (45 anos) Namorada de Tabajara, com quem sonha em se casar. Mora na mesma rua do núcleo dos pobres e trabalha como contadora autônoma. Entre as firmas de cuja contabilidade Isabel se encarrega, está um inferninho de Copacabana onde Taís começa uma discreta carreira de garota de programas. Logo no início, após a morte de Walter, vai ter a grande realização de sua vida, casando-se com Tabajara. Mas o marido também vai morrer. Viúva, Isabel vai morar com o enteado Xará, com quem se dá muito bem. Muito mais tarde, vai ter uma ligação afetiva com Altair, o marido de Constância, com quem vai acabar se casando.

***


ESTER - (38 anos) Bonita mulher, viúva, dona de uma chácara de plantas em Vargem Grande, perto de Jacarepaguá, mora com o irmão Lucas, com quem tem uma bonita ligação afetiva. Precisa fazer uma levíssima cirurgia plástica na clínica de nosso protagonista, que está tendo, no momento, terríveis problemas pessoais. Por negligência, Felipe é descuidado em seus exames pré-operatórios, o que quase leva Ester à morte, na segunda semana de nossa narrativa. Mais tarde, a protagonista Márcia vai fazer com que Ester denuncie este erro médico, um dos primeiros passos para a derrocada profissional do grande cirurgião. Na segunda parte da narrativa, Ester vai viver um difícil romance com Darci, o tio de Márcia, em triângulo com Gilda.

LUCAS - (55 anos) Marceneiro, irmão de Ester com tem se dá muito bem. Um homem extremamente charmoso, bom profissional, ganha muito bem a sua vida, trabalhando apenas para clientes com quem simpatiza. Nos anos 63, Ester e Luzas, de família burguesa, tiveram uma grande atração pelos valores difundidos pelo movimento hippie, rejeitaram a sociedade de consumo, chegaram a viver em comunidade, o que só será revelado na narrativa depois de um certo tempo. Cesta opção resultou a atual situação dos dois irmãos: pessoas totalmente desligadas do mar de futilidade em que vive a maior marte de nossos personagens. Aparentemente tosco, Lucas está, no entanto, muito longe de ser um simplório, podermos até chamá-lo de sofisticado, à sua moda. Um homem que optou por um individualismo saudável e pela simplicidade de vida, a aproximação à natureza. Não faz media com as pessoas com quem não simpatiza, diz sempre a verdade, só faz, na medida do possível, aquilo de que tem vontade.  Gosta muito de musica, especialmente clássica. Rejeita totalmente hipocrisia e frescura. Vai, no entanto, se apaixonar por Olga, que tem valores tão diferentes dos seus, e os dois vão viver uma difícil relação de amor.

LADISLAU – (RUSSO) – (28 anos) Jovem vizinho do núcleo dos pobres, surge na novela como ladrão de carros, tentando atrair Beijaflor e Xará para o seu grupo. Vai se transformar num marginal notório, cuja ascensão a novela vai acompanhar muito de longe. Não é um personagem constante em nossa história. Participação especial.

CELESTE - (30 anos) Irmã de Ladislau, participação especial.


    
Naturalmente, teremos, ainda, alguns personagens de menor destaque e outros, como participação especial, para partes determinadas da narrativa.


Agora a sinopse da novela 'O Clone' de 2002, de Glória Perez:



O CLONE

                                               de     GLÓRIA PEREZ





se Deus não existisse, tudo seria permitido
                                        (Dostoievsky)



O grande cenário de nossa novela é o século 21, o novo milênio.
         Costuma-se dizer que o século 20 foi o século da ciência e da tecnologia. Essas áreas se desenvolveram tanto e tão ràpidamente, que a humanidade acalentou fantasias a respeito de que, no ano 2000, a ciência e a tecnologia seriam capazes de resolver todos os problemas e afastar os fantasmas que atormentam o homem desde seu aparecimento sobre a terra: as necessidades materias, a doença, a velhice, a morte.
Havia uma grande expectativa em torno dessa data, como se ela fosse o marco de uma nova era para a humanidade. Mas como todo otimismo tem o seu avesso, a chegada do ano 2000 atemorizou muita gente: profecias milenares indicavam essa data como o final dos tempos. Viria o apocalipse previsto pela Bíblia, por Nostradamus, pela Virgem de Fátima, por Rasputin, pela civilização maia, pelos muçulmanos, enfim, por todos os profetas que habitaram a terra desde que o mundo é mundo.
E aqui estamos, récem chegados ao novo século, ao novo milênio. O mundo não se acabou e nem conquistamos, através da ciência e da tecnologia, o paraíso terrestre. A novela trata de fazer esse inventário: o que mudou? para onde estamos caminhando?
         O século 21 será, sem dúvida alguma, o século da engenharia genética. E, nesse momento, a questão mais polêmica, mais atual, nesse terreno, é o aparecimento do clone. A possiblidade de clonar um ser humano confere ao homem o poder de criar a vida, de tomar, para si, uma competência que sempre foi só de Deus. Põe, em suas mãos, o destino de sua própria evolução.
O mundo inteiro se volta para as implicações religiosas e éticas desse fato. Além da clonagem, a engenharia genética de hoje também é capaz de alterar o gens, de modo a emprestar ou retirar, dele, características naturais. Se isso implica na possibilidade de poder eliminar doenças hereditárias, pode-se também, através dessa manipulação, acentuar ou eliminar caracteristicas de personalidade, como a agressividade, a passividade, enfim, qualquer das características humanas que já venham inscrita no código genético.
Os riscos de uma tal realidade são óbvios e evidentes: que critério presidirá essa manipulação? Como se vai poder controlar a utilização política desse novo poder?
No “Admirável Mundo Novo” Huxley previu uma humanidade assim, robotizada, fabricada de acordo com as conveniências políticas de cada momento histórico. O que era uma fantasia da ficção científica, é hoje uma realidade palpável. Em todos os países, o governo, os religiosos, as instituições, discutem a questão, no sentido de tentar estabelecer os limites éticos dessas experiências.
Dentre todas essas conquistas da engenharia genética, a mais polêmica, a que mais instiga o imaginário popular, é o clone. As razões são óbvias: o clone é o homem criado pelo homem. Até hoje Deus foi o criador e todos os homens da terra as suas criaturas. A partir da clonagem, os homens serão ao mesmo tempo criadores e criaturas. Os novos deuses habitarão laboratórios e usarão jalecos brancos. Estaremos abrindo mão da infinita diversidade da natureza na construção do humano.
O clone não se enquadra na idéia de família que temos hoje. Não tem pai nem mãe e não nasceu do sexo, como aqueles que foram criados pela natureza: ele é a cópia, o xerox de um outro homem. Os religiosos discordam sobre o fato de que tenha ou não tenha alma. Uns acham que sim, outros juram que não. E todos se mobilizam ante a possibilidade de confrontar-se com o seu duplo, com sua própria imagem.
Mais uma vez retomamos um tema que já abordamos em BARRIGA DE ALUGUEL, em DE CORPO E ALMA, em EXPLODE CORAÇÃO: vamos falar das experiências humanas que não foram vividas pelas gerações anteriores à nossa. Vamos falar sobre como o avanço da ciência modifica a vida cotidiana do homem, colocando-o em situações absolutamente novas, para as quais ele não tem nenhuma referência no passado. Situações que ele deve enfrentar com um coração antigo, com todo um modo de sentir e de pensar inadequados a ela, e dentro de uma realidade social onde elas ainda não cabem.
Como nas novelas citadas, a ciência será pano de fundo. O que está em primeiro plano é a vivência emocionada de uma nova situação de vida, o confronto entre o clone e o clonado.O tema é atual, polêmico,  capaz de mobilizar e provocar impacto. Ao mesmo tempo,  em sendo tão novo, guarda ainda a magia das maravilhas apenas imaginadas pela mente humana.
Essa experiência atualíssima, que reverte todos os conceitos, todas as certezas que até agora  tivemos sobre os mistérios de nossa própria origem, terá como contraponto os muçulmanos e suas tradições milenares. A religiosidade do oriente, sua fé, sua preocupação com o espírito, com a salvação da alma,  estará em confronto com o materialismo do ocidente. O homem “submisso” a Deus, e o homem que buscar “submeter” Deus, tornando-se, ele próprio, criador.
Dentro desse quadro, vamos focalizar algumas características desses nossos tempos: o excesso de individualismo, o misticismo, a avidez pelos 15 minutos de sucesso, a solidão das pessoas, as mudanças de comportamento que provocaram verdadeira inversão nos papéis tradicionais do homem e da mulher, de modo a sublinhar essa tensão do antigo com o novo, do revolucionário com o tradicional, de que se faz o tecido da modernidade.
A proposta é traçar um painel desse final de milênio, mostrando as incertezas e as esperanças com que atravessamos para uma nova era.
Convém registrar também que não vamos, propositalmente, diferenciar as correntes do islamismo, de modo a não tomar o partido de nenhuma delas. Assim, não se dirá se as personagens que representam o mundo muçulmano são xiitas ou sunnitas -essa é uma polêmica desnecessária para a novela, e estaremos atentos para evitá-la.
A história deve ser contada de forma atemporal, não se deixando claro em que ano começa a ser contada.

                             
                                              
 Eu vi o ontem. Eu sei o amanhã
   (inscrição no túmulo de Tutankamon-1.300 ac)

    

Os primeiros capítulos da novela se passam no Egito. A câmera sobrevoa um bairro ortodoxo da cidade do Cairo, no exato momento em que o religioso anuncia, nas mesquitas, a hora das orações a Alá.
A voz do religioso ecoa pelas ruas e vielas, e vemos os crentes, envoltos em seus véus, curvando-se na direção de Meca. A câmera atravessa a profusão de véus até chegar às pirâmides, onde estão LUCAS FERRAZ, o protagonista dessa nossa história e seu irmão DIOGO. Os dois tem por volta de 20 anos. São gêmeos idênticos e filhos de um industrial bem sucedido e  influente: LEÔNIDAS FERRAZ.
Ali, entre comentários sobre o desejo de vencer o tempo e conquistar a eternidade, que moveu a antiga civilização egípcia, também está ALBIERI, o geneticista, velho amigo de FERRAZ,  dizendo que a ciência de hoje pode tornar possível a realização do sonho dos faraós através da clonagem que, de certa forma, é uma maneira do homem sobreviver a si próprio.
ALBIERI é profissional competente e respeitado nos meios acadêmicos. Viveu muitos anos no exterior,  participou de várias equipes que se dedicam à experiência de clonagem e, muito recentemente, voltou ao Brasil, onde começou a desenvolver pesquisas que começam a ser financiadas, em grande parte, por LEÔNIDAS FERRAZ.
Da amizade estreita que desde a adolescência uniu os dois, falaremos mais adiante. Por enquanto devemos dizer que ALBIERI já foi várias vezes ao Egito e tem amigos no Cairo. É através dele que, inicialmente, vamos penetrar na intimidade das casas e das almas desse universo.
        Nessa primeira semana, o cenário da novela será o Cairo e a cidade de Fez,  as mesquitas, as ruas agitadas onde os muçulmanos se curvam para Alá nas horas exigidas, as buates onde se assiste a dança do ventre, os templos, os passeios turísticos, os costumes que forem permitidos revelar, os ritos de casamento, de nascimento e de morte, tudo isso haveremos de mostrar com o cuidado e a delicadeza apropriadas ao tema.
        Importante sublinhar que não estamos comprometidos em retratar um país no que ele tenha de específico: o Egito e Marrocos são cenários escolhido para botar em cena a cultura muçulmana de uma maneira geral, seus costumes, sua visão de mundo.



A TRAMA CENTRAL


os gêmeos FERRAZ

         todos nós nascemos originais e morremos cópias
                         Jung



LUCAS tem aquela aparência sossegada, o jeito arredio e o ar desprotegido que a maioria das pessoas costuma interpretar como timidez e fragilidade.Como é comum acontecer, a família o definiu e etiquetou tomando como parâmetro o irmão DIOGO, mais extrovertido e mais ruidoso que ele. Sendo assim, como ninguém é exatamente igual a ninguém nesse mundo, nem mesmo os gêmeos, nosso protagonista estava destinado a sentir-se sempre menor, e não diferente.
DIOGO tinha uma personalidade tão forte e tão definida, que fazia LUCAS parecer sem personalidade nenhuma. Era alegre, conversador e cheio de iniciativa. Se LUCAS não era assim, logo devia ser o contrário disso, e o diziam triste, caladão, fechado em si mesmo, ainda que, no íntimo, ele não fosse nada disso: apenas não tinha coragem de se expressar.  Mas como quase sempre acontece, acreditou na definição alheia e acabou desempenhando o papel que lhe destinaram.
Por um mecanismo de defesa muito compreensível, desenvolveu a tática de fugir das comparações com o seu gêmeo, fosse no que fosse. Se DIOGO era aclamado por todos como um gênio dos negócios e das finanças, o continuador perfeito da obra do pai, ele voltava imediatamente as costas aos negócios e às finanças, e entricheirava-se num campo bem distante: assim, sonhou ser músico e estudar antropologia. Não tinha talento nem vocação verdadeira para uma coisa nem outra: escolher algum caminho de vida onde DIOGO não fosse o melhor era apenas uma tentativa desesperada de resgatar sua individualidade.
Diante do irmão ficava sempre travado, escondia sua personalidade, seu jeito de ser, tudo o que nele fosse original ou característico, como se esconde uma roupa rasgada, um sapato furado dos olhares dos outros. Tinha vergonha de “ser”.
Acontecia, entre os nossos gêmeos, um problema muito comum: a dificuldade de achar uma identidade quando se tem um igual. As pessoas costumam buscar nos gêmeos as semelhanças e não as diferenças. Querem vê-los como se fossem uma única pessoa habitando dois corpos. E os instigam a exercitar a semelhança, fazendo-os vestir roupas iguais, usar o mesmo corte de cabelo e  rindo quando brincam de confundir as pessoas, fazendo-se passar um pelo outro. Os irmãos DIOGO e LUCAS não fugiram à regra. Desenvolveram um estreita dependência: eram seres complementares. E apesar de DIOGO ser mais forte emocionalmente, um não sabia  existir sem o outro. Mas para  que duas pessoas se transformem em uma, é preciso que uma delas se anule. LUCAS se anulou. Sua passividade, no entanto, esconde grandes conflitos, e uma rebeldia que se manifesta, de vez em quando, em bruscos rompantes que se concentram na figura do irmão.
E tendo traçado esse retrato rápido dos gêmeos,  voltemos à família FERRAZ.
Nosso empresário não nasceu rico, muito pelo contrário. Foi trabalhando duro que conseguiu ampliar a pequena empresa deixada pelo pai e transformá-la na potência que é hoje. Adora os filhos e está sempre querendo prepará-los para que possam, um dia, substitui-lo na direção dos negócios. É homem inteligente e de sólidos princípios morais. Sendo de temperamento autoritário e onisciente, já determinou com toda a tranquilidade desse mundo o destino dos dois: um haveria de comandar as empresas e o outro defenderia os interesses da família na política.
DIOGO é, nitidamente, o preferido, aquele que “puxou ao pai”, o herdeiro de suas melhores qualidades. LUCAS, o filho difícil, trabalhoso, que FERRAZ um dia há de botar nos eixos.
FERRAZ é viúvo e não tornou a casar-se. Quando a história começa a ser contada está namorando YVETE. Os gêmeos, no princípio encantados com o romance, acabam declarando guerra ao namoro, em consequência de um acontecimento que não vale a pena explicitar aqui. Como sempre, LUCAS se mostra mais tímido no enfrentamento do pai, enquanto DIOGO diz a ele, com todas as letras, o que pensa da mulher que  escolheu: vulgar, oportunista e inadequada para tomar o lugar da mãe dentro daquela casa. Preocupa-se também com os desmandos financeiros que FERRAZ vem fazendo, comprando jóias, apartamentos e carros último modelo para YVETE, e critica o descaso demostrado por LUCAS em relação a assunto de tanta relevância.
A família mora numa mansão que, desde a morte de sua dona, é dirigida pela DALVA, a velha criada que foi babá dos meninos desde que nasceram.
Os gêmeos  foram ao Egito levados por ALBIERI e de lá seguem para o Marrocos, para encontrar FERRAZ e conhecer YVETE, a nova namorada do pai.
Quando o industrial volta para o Brasil,  DIOGO, quer vir com ele a todo o custo. Sabe que FERRAZ é impulsivo, e teme que se case com YVETE ainda mais rapidamente, depois que LUCAS e ele explicitaram sua desaprovação. Assim, volta com a intenção de atrapalhar o namoro dos dois e, a bem da verdade, por uma outra razão muito pessoal: não quer perder a festa de aniversário de MAYSA numa ilha de Angra.
LUCAS fica no Marrocos, onde acaba se metendo em grandes confusões em consequência de seu completo desconhecimento da cultura local.
Através de ALBIERI, que é amigo de longa data do velho ALI, nosso protagonista conhece a família ADIB.
ALI e ALBIERI estudaram na Inglaterra, onde foram colegas de colégio e faculdade e, desde então, mantiveram estreita e sólida amizade. Convém dizer que, sendo homem de vasta cultura e sabendo mover-se perfeitamente no universo ocidental, ALI dirige com mão de ferro a sua gente, impondo aos seus as mesmas regras e princípios que nortearam sua formação.




as iras de uma deusa desabam sobre tua cabeça: estás amando
                                                        Eurípides

                      

Na casa dos ADIB, LUCAS vê JADE pela primeira vez e se apaixona por ela.
JADE nasceu no Cairo mas cresceu no Brasil, com a mãe viúva e, tendo ficado órfã, foi mandada para o Marrocos, onde vive seu tio ALI.
Patriarca da família, ALI, fala diversas línguas, incluindo o português. Assim, temos desde logo resolvido o problema da comunicação nos capítulos que se passam no Cairo: JADE fala em português com o tio e com a prima LATIFFA
Nossa heroína sofre as dificuldades de adaptar-se a uma cultura tão diferente. Foi criada com extremo rigor para os padrões brasileiros, mas as limitações que lhe foram impostas pela mãe pareciam nada diante daquelas que a esperavam no Cairo. Vive o conflito muito comum aos adolescentes muçulmanos criados em outros países: não se sente nem brasileira nem muçulmana. É como se estivesse solta, sem um lugar definido no mundo. E não tem forças para romper com essa dualidade, integrando-se de vez a um dos dois universos: quando tenta ser ocidental, a força de suas raízes a seguram. Quando tenta ser muçulmana, a ocidental se inquieta dentro dela. A trajetória se JADE será marcada por essa tensão. pela busca de encontrar um equilíbrio entre esses dois universos.
Quando começa a viver sua paixão proibida por LUCAS, o tio ALI negocia seu casamento com um noivo muçulmano. Dos detalhes dessa negociação não falaremos agora, pois ela resulta de uma intriga que envolve o casamento da prima LATIFFA.
Disposta a ganhar tempo para defender seu romance com LUCAS, a ardilosa JADE, através de uma rede de intrigas e cochichos tão comuns à sociedades assim, muito reprimidas, acaba conseguido a concordância de ALI para, antes do casamento, passar uma temporada no Brasil, ajudando a prima LATIFFA que, uma vez casada, vai se mudar com o marido para o Rio de Janeiro.
Através de JADE, mostraremos o ritual de castração, ainda comum no sul do Egito, apesar da intensa campanha do governo para erradicá-lo. A castração da personagem não acontecerá, evidentemente, mas será discutida. JADE é salva, na última hora, pela interferencia do patriarca ALI.
Assistiremos, também, o belo ritual do casamento tradicional muçulmano. A cerimônia civil, do qual a noiva não participa, sendo representada pelo pai, a festa, onde homens e mulheres não se misturam, o cortejo dos noivos, conduzidos para a lua de mel pelas dançarinas da dança do ventre.
Mas voltemos à trama: por causa de JADE, LUCAS decide ficar mais uns dias no Cairo. Enquanto isso, no Rio, DIOGO se prepara com entusiasmo para a festa de MAYSA. Não a avisou de sua chegada: quer fazer surpresa. É uma viagem rápida. De helicóptero,  menos de meia hora. Seus amigos já foram e reclamam sua presença. 
Na hora marcada, acontece um problema e o piloto não pode vir para levá-lo. DIOGO, que acabou de tirar o brevet, decide ele mesmo dirigir o helicóptero. DALVA, a velha babá, se desespera, argumenta, procura inutilmente localizar FERRAZ, que saiu com YVETE. DIOGO vai, rindo dos seus pressentimentos e  dizendo a ela que se acalme, há de telefonar assim que chegar em Angra.
Em paralelo a ida de DIOGO no helicóptero, temos LUCAS no deserto, sofrendo, como só os adolescentes sabem sofrer, as desventuras de seu amor proibido.
DIOGO levanta vôo e, num determinado momento, acontece uma tempestade. Em paralelo, a tempestade de areia no deserto, que LUCAS também não sabe como enfrentar. O atordoamento de DIOGO caindo com o helicóptero é simultâneo ao atordoamento de LUCAS despencando de cima do camelo.
 FERRAZ se desespera sabendo que o acidente do filho foi mortal. Enche-se de amargura e culpa, achando que se estivesse em casa nada disso teria acontecido. A partir daquele dia, afasta-se de YVETE e nunca mais há de ser o mesmo homem.
A morte de DIOGO é ponto de partida para uma série de profundas modificações na vida daquela família.
Obrigado pelo pai, LUCAS embarca de volta sem ter conhecimento, ainda, da tragédia famíliar. Os dois apaixonados selam um pacto: serão capazes de enfrentar todas as tempestades e tormentas para ficarem juntos. E através de muitas artimanhas, como haveremos de ver nos capítulos, JADE consegue um pretexto para vir ao Brasil antes do casamento com o noivo escolhido por tio ALI.
               

OS ÁRABES

         Maktub- estava escrito!
                           


JADE se instala na casa do primo MOHAMED e de LATIFFA. Vem para revolucionar a vida dos récem casados, criando grandes tumultos, quando declara que não está disposta a aceitar o marido escolhido pelo tio: há de casar-se com LUCAS e ficar morando para sempre no Brasil. Assim, ignora os insistentes chamados de ALI para que volte ao Cairo. Queima  telegramas, intercepta cartas, e quando o velho ALI vem buscá-la pessoalmente, bate o pé, ameaça matar-se. Diante da indiferença da família às suas ameaças, acaba saindo de casa.
Mas antes que isso aconteça, devemos contar o tumultuado período que se seguiu à chegada dos enamorados no Rio de Janeiro.
JADE insiste em casar-se, porque o muçulmano não namora, casa. As pretensões da mocinha não são bem acolhidas pela família FERRAZ que, observando a questão do ponto de vista ocidental, logo interpreta aquela exigência como tentativa de golpe de uma esperta, na certa de olho no dinheiro de LUCAS e por isso insistindo em precipitar a situação.
Convicto disso, FERRAZ endurece: não permitirá que o filho que lhe resta cometa uma asneira pela qual, segundo suas palavras,  haveria de pagar pelo resto da vida.
É um período de grandes tensões, quando LUCAS recorre a ALBIERI, pedindo que explique ao pai que JADE não merece o rótulo de interesseira, e que só a diferença cultural poderia explicar o que acontecia. FERRAZ aceita a argumentação, desde que não aconteça o casamento. E LUCAS considera, erradamente, que o fato do industrial ter aceito a tese da diferença cultural signifique meio caminho andado.
Por outro lado, na tentativa de convencer a família a aceitar sua escolha, JADE recorre ao Alcorão, livro sagrado dos muçulmanos, que lhes serve de guia em todos as situações da vida prática, buscando encontrar, nos ensinamentos Do profeta Mohamed, a defesa de sua causa româtica:

“Não se case
Com mulheres que não têm fé,
Até que a tenham.
Uma escrava que tem fé
É melhor que uma que não tem.
Não case suas filhas com hereges,
Até que eles tenham fé.
Um escravo que tem fé
É melhor que um herege
        (SURA II, 221)

O tio ALI mostra-se irredutível e rebate os argumentos da sobrinha com a citação de outras suras. Se não ganha terreno com o patriarca, nossa protagonista não se dá por vencida: consegue  convencer LUCAS a converter-se ao islamismo, acreditando que essa conversão deixaria o tio sem argumentos para continuar rejeitando  seu escolhido. LUCAS aceita sem problemas a conversão, e quando FERRAZ fica sabendo da decisão do filho, a tempestade desaba sobre a mansão da Boa Vista.
A família de JADE também não se dobra ao novo argumento da mocinha rebelde: pelo costume, aceita-se a conversão da mulher, mas não a do homem, baseando-se no princípio de que os filhos pertencem à família do homem e não à da mulher:  no caso de uma separação eles seriam criados pela família do pai, que não é muçulmana.
As pressões se multiplicam sobre os apaixonados. 
ALI radicaliza, e JADE fica sabendo que vai ser casada à revelia. De acordo com as leis islâmicas, sua recusa não impede que a família realize assim mesmo o casamento negociado.
Nossa heroína se vê posta contra a parede, mas tendo temperamento independente e forte, desafia os seus e foge de casa, debaixo de toda a sorte de pragas e maldições, disposta a enfrentar os riscos e as tormentas que forem necessárias para ficar com LUCAS. Mas LUCAS,  fraco e vacilante, no último momento perde a coragem de enfrentar FERRAZ e acaba se dobrando à sua vontade.
 Decepcionada com a desistência dele, e um pouco pelo seu despreparo para sobreviver sozinha, um pouco por aquele sentimento de revide que toma conta da pessoa que se sente traída, ela  volta para a família onde se prepara a festa de seu  casamento.
LUCAS se desespera. Num impulso, e escondido de FERRAZ, viaja disposto a trazer JADE de volta. Usando artifícios que não explicitaremos aqui, consegue assistir à festa onde homens e mulheres não se misturam, mas lhe falta coragem para levar adiante o planejamento de fugir com ela e assumi-la de vez.
Assim, nossa heroína se casa numa bela e tradicional cerimônia, enquanto LUCAS volta ao Brasil, sentido-se ainda menor e ainda mais frágil, para submeter-se de vez a sonhos que não eram dele.



ALBIERI, o criador do clone


                   Gênio? Nesse momento
Cem mil cérebros se concebem, em sonho, gênios como eu
E a história não marcará, quem sabe? Nem um...     
         Fernando Pessoa                                      

clonar um ser humano é o primeiro passo para que o homem se converta no próprio Deus
                            Richard Seed, geneticista americano

                           
Antes de encerrarmos a descrição dos capítulos que compõem a primeira parte da novela, devemos falar um pouco de ALBIERI, registrando o que acontece com ele nesse período.
ALBIERI casou-se com EDNA, sua devotada assistente, depois que perdeu a noiva, por quem estava completamente apaixonado, num acidente de carro. EDNA, que sempre o amara em silêncio e sem esperanças, esteve ao lado dele nesse momento difícil, foi o ombro amigo, a palavra consoladora, a companheira de suas noites de revolta e insônia. A convivência em fase tão complicada de vida, aprofundou a amizade entre os dois, de modo que acabaram se casando –ela por amor, ele por inércia e solidão.
 Das dificuldades e grandes confusões que ainda hão de tumultuar essa relação, vamos falar mais tarde. Por enquanto, é no terreno profissional e no psicológico que  ALBIERI nos interessa.  
Nossa personagem é um ex-seminarista e, como a maior parte dos ex-seminaristas, brigou com Deus, mas continua girando em sua órbita.
Viveu para a ciência e é um nome respeitado no meio. Tem uma clínica de alto gabarito e, de sua equipe, participam dois profissionais que fazem parte dessa história: ANITA e ESCOBAR. Deles, falaremos mais adiante.  Como foi dito anteriormente, ALBIERI participa de equipes internacionais que desenvolvem experiências no campo da engenharia genética, e quando a história começa a ser contada, está mergulhado num projeto de clonagem de animais, em parte financiado por FERRAZ.
Como a maioria dos profissionais da área, ALBIERI esteve desde sempre fascinado pela idéia da clonagem humana. Esse fascínio, por razões que logo entenderemos, aparece, nele, sempre sob o disfarce de uma brincadeira. Costuma dizer que vai clonar EDNA ou a si próprio, deixando seu nome inscrito na história da ciência. E quando o chamam de sonhador, responde citando um velho filósofo alemão:  “o homem só tem os sonhos que são possíveis de realizar”.
É preciso deixar claro que não passa pela cabeça de ninguém que ALBIERI esteja falando sério. Ninguém o supõe capaz de se aventurar numa experiência tão perigosa para a imagem de um cientista  respeitado internacionalmente. É moderado demais, discreto demais, tendo sua carreira sido pautada sempre pelo princípio de evitar polêmicas e transgressões no terreno da ética. O que ninguém supunha é que essa postura era derivada de sua timidez e de sua covardia inata, e não de alguma  convicção.
Convém dizer que nem mesmo ele se acreditava capaz de botar em prática  os sonhos de grandeza que o acometiam de vez em quando: afinal, qual é o profissional que não sonha em realizar o desafio maior de sua área de atuação? E a clonagem humana é, sem dúvida alguma, o desafio máximo dos geneticistas de hoje.
Talvez tudo tivesse ficado restrito para sempre ao terreno da fantasia, se as circunstâncias não tivessem se conjugado de um jeito tão favorável.
Para começar, devemos levar em conta a personalidade de  ALBIERI: sua ambição,  sua vaidade excessiva, seu desejo de poder e de sucesso. É bem verdade que ele sempre manteve todos esses elementos sob controle. Valorizava demais sua reputação e isso o impedia de aventurar-se em qualquer experiência que não fosse absolutamente legal, por mais atraente que ela lhe parecesse. Resumindo: tinha um nome a zelar. E essa preocupação com a imagem pública nunca o deixou dizer o que realmente pensava a respeito dos rumos que anda seguindo a genética. Exibia, publicamente, um perfil conservador, porque considerava menos arriscado e de bom tom mostrar-se dessa maneira.
Ao mesmo tempo, em noites insones, que só deus sabe, lastimava a covardia que o impedia de ousar e de chegar até onde achava que podia. Lia as entrevistas do americano Richard Seed, com quem havia trabalhado em alguns projetos e sentia-se pequeno, medíocre, ouvindo o colega dizer que começaria a fazer clones em série e que se os Estados Unidos o proibissem se mudaria para qualquer país disposto a aceitar suas experiências. Sabia que para revolucionar era preciso transgredir, e se lhe sobrava talento, faltava coragem necessária para arriscar transgressões.
Some-se  a tudo isso o fato de que ALBIERI lidasse muito mal com perdas. Ficou órfão muito cedo e, quando mais jovem, perdeu a noiva às vésperas do casamento.  Grande parte do fascínio que nosso geneticista sentia pela possibilidade da clonagem humana vinha daí, desse sentimento de vazio e impotência que se tem diante da morte das pessoas queridas. Como geneticista do século 21, ALBIERI sentia-se um deus sem coragem de recriar a vida. Faltava o impulso emocional que o levasse a superar todas as barreiras que a racionalidade impunha. A morte de DIOGO, reabrindo feridas antigas, foi esse impulso.
ALBIERI amava DIOGO. Considerava DIOGO o filho que não teve. Como velho amigo de FERRAZ, coube a ele batizar o menino, a quem acompanhou sempre muito de perto. Orgulhava-se da inteligência e do brilhantismo de DIOGO, e comovia-se com a admiração que o afilhado sentia por ele. Aos olhos de DIOGO, ALBIERI era um deus, era o poder da engenharia genética em forma de homem. Toda a reverência, todos os aplausos, todo o reconhecimento que nosso geneticista sonhava ganhar da humanidade inteira se tornavam reais no olhar do afilhado. DIOGO fazia ALBIERI se sentir o gênio que ele acreditava não ter tido coragem de ser.
 Pode-se dizer que DIOGO sempre foi o laço afetivo de ALBIERI com o mundo. Porque, mesmo dentro de casa, nosso geneticista era sempre reservado, sempre fechado em si mesmo.
Talvez essa incapacidade de lidar com os afetos tenha se originado nessa sensação de perda que o acompanhou sempre. ALBIERI tinha medo de amar porque tinha medo de perder. Mantinha cuidadosa distância das pessoas por quem se poderia envolver. Mas DIOGO o pegou pelo pé. Depois da noiva perdida, foi o único afeto que ele não rejeitou, que aceitou integralmente, a única pessoa desse mundo a quem entregou o coração, sem reservas.
De modo que a morte do adolescente o deixou sem chão. ALBIERI reviveu, na perda do afilhado, todas as perdas que tanto atormentaram sua vida. Sentiu-se órfão e sozinho. Foi nesse momento que a idéia de experimentar a clonagem ganhou força dentro dele. Foi nesse momento que, pela primeira vez em toda a sua vida, deixou falar mais alto o coração. Tinha, diante de si, o material necessário, colhido de um exame recentemente feito por LUCAS.
Não foi uma decisão fácil. Nosso cientista atravessou grandes crises de hesitação.Não eram hesitações de ordem moral, porque ele acreditou sempre que não se deva opor obstáculos éticos ao avanço da ciência, e que as conquistas científicas capazes de beneficiar a humanidade valem o sofrimento dos indivíduos que venham a ser sacrificados para alcançá-la. Suas hesitações são de ordem muito prática: teme que a experiência, sendo tão questionada do ponto de vista ético, pudesse vir a envolvê-lo num escândalo capaz de manchar a respeitabilidade de seu nome. Mesmo assim a realizou, contando apenas com a cumplicidade da assistente ANITA.
ALBIERI faz diversas tentativas antes de conseguir ser bem sucedido. Utilizou várias mães de aluguel, mas apenas uma delas conseguiu desenvolver uma gestação: DEUSA,  mulher negra, alegre, simples e de bem com a vida, que lamenta nunca ter tido um filho e aceita, entusiasmada, a proposta de uma inseminação artificial com sêmem de um desconhecido. 
O fato ainda há de provocar grandes complicações, como se pode prever, porque quando explodir o escândalo, DEUSA não há  de aceitar a explicação do clone, acreditando que tudo não passa de uma grande armação para lhe tirarem o filho.
Mas isso é assunto para mais tarde. Por enquanto devemos dizer que o clone nasce, ALBIERI dá ao menino o nome de LEANDRO e mantém a história em absoluto segredo. Torna-se padrinho da criança e leva DEUSA para casa, querendo acompanhar de perto o desenvolvimento do clone. EDNA, sempre carente, sempre insegura em relação aos sentimentos de ALBIERI, se enche de suspeitas, achando que o marido está apaixonado por DEUSA ou que é pai do filho que ela espera. Só isso justificaria a exigência de que a paciente ficasse na casa durante a gravidez, e os cuidados e zelos de que ele a cercava.
ALBIERI contesta as acusações da mulher, dizendo que precisa acompanhar de perto a gravidez de DEUSA por “interesse científico”. Mas, afinal de contas, ele já fizera centenas de inseminações artificiais e nunca estabelecera nenhuma relação pessoal com qualquer paciente. Por que daquela vez seria  diferente?
        De qualquer modo, habituada a dizer sempre “sim” ao marido
EDNA acaba aceitando a presença do menino e vivendo dentro de casa numa guerra surda com a DEUSA.
Mas isso é assunto para mais adiante. Voltemos à gravidez de DEUSA e aos primeiros anos do clone.
É um período de sustos e expectativas, quando nosso geneticista se angustia, sem saber como há de nascer e de crescer aquela criança gerada em circunstâncias tão novas. E quando  constata a absoluta normalidade de LEANDRO, sente-se acuado, sem coragem de trazer a público o resultado de sua experiência feita de maneira tão anti ética, sem o conhecimento do clonado, e às custas de tantos e tantos abortos. Não comunica o sucesso aos proprios membros da equipe que trabalhou com ele. Só ANITA compartilha de seu contentamento e de suas angústias.
Nosso geneticista debate-se entre a vontade de mostrar seu feito ao mundo e o medo de pagar, na vida profissional como na pessoal, um preço alto demais pela sua ousadia. Em consequência desse tumulto interno ele se afasta de FERRAZ, que não compreende o distanciamento do amigo em momento tão delicado e se magoa com isso. 
A presença de uma criança na casa de um homem que nunca havia demonstrado interesse por crianças  provoca a curiosidade natural dos amigos e uma sensação de estranheza: ALBIERI não falava do menino que estava criando e mudava de assunto toda vez que alguém queria conhecê-lo. Mais do que isso: encontrava sempre uma maneira de escondê-lo das visitas, criando situações de atrito com a DEUSA e com EDNA, que  interpretavam essa atitude como “rejeição” a LEANDRO.
Os conflitos se sucedem e atingem seu climax quando DEUSA abandonar a casa do geneticista, na verdade exausta do controle que ele exerce sobre sua vida e ALBIERI atribuir à mulher a culpa da repentina partida.
Além de EDNA e DEUSA, os interlocutores de ALBIERI serão: JULIO, que tem uma visão humanista e acredita que as experiências científicas devam submeter-se às exigências éticas, SIMONE, ESCOBAR e  ALI, o patriarca dos ADIB. Através de ALI, haveremos de confrontar o ponto de vista do oriente e o do ocidente no que diz respeito aos avanços científicos e, mais especificamente, às experiências de clonagem.
Convém deixar registrado que ESCOBAR participa da segunda fase da novela.  SIMONE, por exigência mesmo da trama, desaparece no início da segunda fase para só retornar no final. 



                               20 ANOS DEPOIS

o coração tem uma memória própria
                  Balzac



Como vimos, no final da primeira parte da novela, DEUSA abandona a casa de ALBIERI, desejosa de viver sua própria vida e exausta da obssessão de nosso cientista pelo seu LEANDRO. ALBIERI entra em pânico,  alterna períodos de depressão e inércia com períodos de busca frenéticas pelos fugitivos, atiçando ainda mais as suspeitas  de EDNA.
Acaba encontrando DEUSA, oferece mundos e fundos para que ela lhe entregue o afilhado, mas só consegue fazer com que ela volte por pouco tempo para casa: DEUSA foge de novo, dessa vez sem deixar rastros.
E passa o tempo. Dezoito anos depois, ALBIERI é um deus órfão, buscando inutilmente encontrar sua criatura e tentando imaginar como ela teria se desenvolvido. Assim, abre-se um espaço para que, junto com ele, o público também fantasie sobre  o clone.
Deixemos nosso cientista entregue à sua angustia para saber o que aconteceu com as demais personagens dessa história:
 LUCAS FERRAZ assumiu as empresas do pai e é hoje a antítese do adolescente que conhecemos no início da novela. Tornou-se um homem duro, calculista, frio, que vive em função do dinheiro e do poder.
A morte do irmão jogou sobre seus ombros a responsabilidade de prencher, sòzinho, as expectativas paternas. Sentia-se fraco e impotente para ser ao mesmo tempo o gerenciador das empresas e o politico brilhante dos sonhos do velho FERRAZ. Sofreu, acreditando que o pai, se tivesse podido escolher, teria preferido perder a ele e não a DIOGO, porque sempre que suspirava pelo filho, FERRAZ não deixava de lembrar o quanto era mais equilibrado, mais pé no chão, mais esperto que LUCAS.
Naquela ocasião, nosso protagonista tentou procurar ALBIERI, desabafar com ele, mas o cientista o evitava o mais que podia, hesitante que estava entre o desejo de realizar ou esquecer de vez a experiência do clone.
Assim, LUCAS esteve sòzinho e desamparado nesse momento tão crucial, e foi empurrado pelo ressentimento, pela frustração, pelo desejo de mostrar ao pai o quanto valia, que ele acabou conduzindo sua vida no sentido de preencher o vazio deixado por Diogo.
No climax da crise de identidade decorrente da morte do irmão, se casou com MAYSA, a namorada dele. Não a amou e não fez força para amá-la.  Sentiu-se sempre árido, sempre incompreendido e sòzinho. Por medo de sofrer, afastou-se dos sentimentos e revestiu-se dessa frieza que afasta as pessoas e os amores de seu caminho.
Hoje, JADE é para ele uma lembrança distante, “bobagem de juventude”, define, sabendo que mente, mas cortando o assunto com a rapidez necessária a não permitir que se reabram as feridas.
Quanto a FERRAZ, nunca mais conseguiu equilibrar-se depois da perda do filho. Viveu atormentado por sentimentos de culpa e buscando, desesperadamente, uma fé capaz de acalmar um pouco a sua dor.
Tem um grande amigo com quem conversa e compartilha os seus sentimentos: o LOBATO, que há de ser uma figura importante no universo das personagens envolvidas com a droga.
LUCAS também terá seu confidente: é OLAVINHO VALVERDE, um dos diretores da empresa, que vai ter seu casamento ameaçado por uma história mirabolante e moderna em torno de uma investigação de paternidade. E uma oponente de peso.
Devemos, nesse momento, dar notícias de YVETE, a namorada que FERRAZ abandonou depois da morte do filho, para dizer que hoje mora em Botafogo é dona de um brechó e não desistiu de recuperar FERRAZ, que também não consegue esquecê-la embora viva se esquivando dela.
Voltando a LUCAS, convém informar que tem uma filha, MEL (16 anos), adolescente quieta e tímida, que há de provocar uma crise monumental na família quando se se apaixonar pelo XANDE, segurança da casa, e vier a enfrentar toda a família, decidida a casar-se com ele. E quando, um pouco mais tarde, vier a se tornar dependente química. Mas isso é história para depois.
Voltemos a LUCAS e MAYSA: como se podia esperar, o casamento dos dois não foi feliz, ainda que ela o tivesse tentado e tentado muito. Como sempre acontece nesses casos, o jeito arredio de LUCAS, a indiferença que ele cultivou durante esses anos acabou sendo mais forte e se impondo sobre o esforço que ela fez para cultivar algum afeto entre os dois.
MAYSA fecha os olhos aos muitos casos de LUCAS e extravasa sua frustração gastando muito em coisas supérfluas. Mas quando  JADE reaparece, tudo muda de figura: ela podia admitir  os envolvimentos do marido porque sabia que eram transitórios e que não havia, neles, nenhum investimento afetivo. Não vai suportar vê-lo apaixonado, dando a outra mulher o sentimento que sempre negou a ela.
A guerra torna-se aberta, MAYSA jogando todos os seus trunfos, chegando mesmo a exigir a separação, certa de que LUCAS a recusaria, por temor de dividir o patrimônio da família em momento tão delicado para seus negócios. E, de fato, ele recusa, nem tanto pelo patrimônio, como ela supunha, mas pelo sentimento de culpa. É a  culpa que o mantém preso àquele casamento, porque exatamente nessa ocasião, os problemas decorrentes do envolvimento de sua filha MEL com as drogas, atingem seu clímax.
Vamos deixá-los aqui, entregues a esse novo impasse, para saber como transcorreu a vida de JADE e a quantas anda a família ADIB.


                      
JADE

                                     o destino é o acaso atacado pela                                                            mania de grandeza
                                               Mário Quintana



JADE reaparece na vida de LUCAS de uma maneira surpreendente: quando ele vai negociar um contrato de associação com um árabe riquíssimo, contrato do qual depende, naquele momento, a solidez de suas empresas, fica sabendo que se trata de SAID, o marido de JADE.
Bastou reconhecê-la para nosso empresário ter que admitir que não se tinham passado nem três segundos daquele primeiro encontro no Cairo. De repente eram de novo dois adolescentes descobrindo o amor.
JADE viveu esses anos sem procurar saber nem aproximar-se de LUCAS. Na passagem de tempo, estará de mudança para o Rio, onde vai habitar um bairro da zona sul.
Na primeira fase da história, acompanhamos seu mal sucedido casamento com SAID, o noivo árabe imposto pela família, as desavenças com NAZIRA, a irmã mais velha dele, e suas desesperadas tentativas para separar-se , quando ela tenta fazer com que o marido arranje outras esposas, evita filhos e, sabendo que não foi preparada para sobreviver no mundo, porque viveu sempre dentro de uma redoma, procura aprender alguma coisa que lhe permita garantir a desejada independência, depois da separação.
Convém sublinhar que nossa heroína enfrenta essas dificuldades de vida com esperteza e malícia, não havendo de ter, apesar de tudo, uma aparência sofrida: o que ela enfrenta, se parece muito para uma mulher ocidental, é mais do que costumeiro para a mulher árabe, que já nasceu sabendo que sua vida não haveria de ser decidida por ela, e vive cercada de mulheres que compartilham desse mesmo destino.
Mas voltemos aos fatos: num determinado momento, JADE  planeja uma fuga: consegue roubar o passaporte trancado no cofre de SAID, vende as jóias que tem e vai embora. SAID, apesar de instigado por NAZIRA a esquecer-se dela, consegue reencontrá-la e trazê-la de volta, momento em que JADE é ameaçada e corre o risco de sofrer as severas punições previstas pela lei islâmica. A gravidez a salva e põe diante de um novo conflito: aqui vamos explorar os sentimentos da mulher que espera um filho do homem que não suporta.  JADE achou que não se apegaria à criança, mas não aconteceu assim: amou aquela filha desde que a puseram em seus braços e sentiu-se capaz de tudo por amor a ela. KADIJA, a filha de JADE, terá entre 8 e 10 anos, quando acontecer o reencontro com LUCAS.
Deixamos claro que, durante todo esse período, se ela não procurou por ele, é verdade que o guardou e cultivou na lembrança como o grande e único amor de sua vida. O tempo e as decepções posteriores  só fizeram intensificar esse sentimento, e ampliar ainda mais a dimensão de LUCAS. Como costuma acontecer com as pessoas que não são  felizes, JADE  imaginava que tudo teria sido diferente se ela e LUCAS tivessem ficado juntos. De natureza fantasiosa,  concebia sua vida real como nada tendo de bom, e acreditava que, ao lado de LUCAS, teria vivido sempre mergulhada num mar de rosas. Idealizou a figura dele, apagou da memória seus defeitos e suas fragilidades, e o reconstruiu como um príncipe encantado desses que só se encontram nos melhores contos de fadas.
Desse modo, não soube avaliar o homem que tinha diante de si quando o reencontrou. Como todo árabe, acreditava na força do destino, e se o destino os reunira assim, algum sentido teria esse reencontro.
LUCAS vive o impasse de reatar com ela, correndo o risco de botar a perder o vantajoso negócio que está prestes a fechar com SAID. Além disso, a culpa, as chantagens emocionais de MAYSA, tudo conspira para mantê-lo prisioneiro daquela casa e daquela vida.
 JADE, por sua vez, teme que uma separação a afaste definitivamente da filha, porque, pela lei islâmica, os filhos pertencem ao pai e, em caso de separação, devem ser criados por ele e pela família dele. Enfim, ambos têm razões de sobra para tentar resistir. Tentam, mas não conseguem. E acabam retomando o romance interrompido há tantos anos.
De início, essa necessidade de manter tudo em segredo é conveniente aos dois, porque JADE terá que resolver sua situação com o marido árabe. É uma fase de muitos tumultos, com os dois apaixonados tendo que recorrer a artifícios inusitados para promover seus encontros.
Sendo muito difícil para JADE conseguir o divórcio, porque diante da justiça ela não teria como justificar não querer mais o marido árabe, resta-lhe provocá-lo o suficiente até que ele se canse dela e, seguindo o costume, diga três vezes “eu te repudio”, para que a separação seja consolidada. 
Através de artifícios, JADE acaba conseguindo irritá-lo a ponto de fazê-lo pronunciar as palavras que sacramentam o divórcio. SAID logo se arrepende, mas não pode voltar atrás: pelas leis do Alcorão, JADE terá de ficar casada durante alguns meses com outro homem antes de poder casar-se de novo com ele.
Esperta, evita que o marido negocie esse casamento (que,na prática, pode ser fictício) com algum dos seus conhecidos, e contrata ela mesma um casamento com o ZEIN, egípcio récem chegado e sem parentesco com a família ADIB. ZEIN é um homem belíssimo e sedutor, que anda causando verdadeiras devastações nos namoros e casamentos à sua volta, tendo ganho dos maridos e namorados injuriados o apelido de “a maldição do faraó”.
JADE oferece a ele uma boa quantia e, usando de artifícios, o aproxima do marido, que o escolhe e contrata, sem saber do compromisso que ele havia anteriormente assumido com JADE: o de só deixá-la livre no momento indicado por ela. Com isso, ela espera ganhar tempo para que LUCAS decida sua situação e se disponha a assumi-la de vez. Mas não conta com um imprevisto: ZEIN se apaixona realmente por ela, e lança mão de todos os recursos de sedução para fazê-la apaixonar-se por ele.


LUCAS E SEU DUPLO: A SEGUNDA CHANCE DE UM HOMEM


ninguém se banha duas vezes nas águas do mesmo rio
Heráclito  

                                     
não chame de filho
este ser diverso
                                      que pisa o ladrilho
de outro universo (..)
Liberto da herança
de sangue ou de afeto
desconhece a aliança
do avô com seu neto (..)
feliz, por que não?
pois rompeu o nexo
da velha criação,
eis que o homem feito
em laboratório
sem qualquer defeito
como no antigório
acabou com o homem
Bem feito!
                           Drummond



Durante alguns anos ALBIERI fica sem saber de DEUSA e de LEANDRO. Perde o rastro dos dois. E, nesse período, vive a angústia de não saber como cresceu e se desenvolveu a sua criatura. Toda a expectativa, as fantasias de todos nós a respeito de como seria a alma, os sentimentos de alguém como LEANDRO, nascido de maneira tão anti-natural, são vividas aqui.
A genética nos diz que o clone é um ser humano exatamente igual a qualquer outro. Na verdade, um gêmeo idêntico desencontrado no tempo. O que é novo, o que é original em tudo isso é apenas a maneira como ele aparece no mundo, e o fato de que ele seja um duplo não programado pela natureza, e sim pelo próprio homem. Mas o artifício de brincar com o mistério permite atiçar a fantasia e a curiosidade do público, dando mais colorido à novela e aumentando a dramaticidade da trama.
Assim, depois da passagem de tempo, o clone não aparece de imediato: ele vai circundando as personagens, chegando perto delas devagar, até o momento em que entre realmente na história, causando grandes transtornos e promovendo mudanças radicais nas vidas de todas elas.
A idéia é deixar sempre uma certa dubiedade em sua figura, de modo a alimentar, o mais que possível, a imaginação e a fantasia do público. Sua alma nunca se mostra por inteiro, ele escorrega quando pensamos que o conseguimos decifrar. Deve ser o avesso de LUCAS, alegre, infantil, espontâneo, tudo aquilo que foi sufocado no nosso protagonista será sublinhado nele. Fechado o breve parêntesis, voltemos à trama.
MAYSA descobre o romance de LUCAS com JADE e sofre, ao constatar que dessa vez é diferente: há sentimentos em jogo. Sente-se traída, humilhada. A guerra é declarada: em casa e na empresa, Os conflitos com MAYSA se multiplicam e JADE já não aceita os argumentos práticos que ele utiliza para justificar sua permanência num casamento que, segundo ele próprio afirma, só o faz infeliz.
Na verdade, aos poucos, nossa heroína vai se decepcionando com esse reencontro tão sonhado: o LUCAS de hoje, pouco ou nada tem a ver com aquele LUCAS de 18 anos atrás, por quem ela tinha atravessado mares e removido montanhas. Perdeu a poesia, a delicadeza, tudo o que tinha feito dele o príncipe encantado que ela não conseguia esquecer. “Mudou ele ou mudei eu?” se perguntava JADE. E algumas vezes imaginou que melhor seria que nunca o tivesse reencontrado: o LUCAS de hoje destruía a idealização do amor e da felicidade que durante tantos anos a alimentara e dera forças para suportar a triste realidade de sua vida.
Por sua vez, LUCAS sente a decepção dela e se magoa: antes nunca a tivesse reencontrado, antes pudesse continuar a viver com a sensação de que alguém nesse mundo gostava dele realmente e o compreendia.
 Pressionado pelas duas mulheres, LUCAS se sente num beco sem saída.
 É nesse momento que LEANDRO aparece em sua vida. em circunstâncias que não convém determinar na sinopse,  causando grande impacto e provocando as mais diversas interpretações para tão assombrosa semelhança: DALVA está certa de que se trata de um caso inquestionável de reencarnação. E LUCAS acredita que o menino seja na verdade um filho póstumo de DIOGO, pois uma vez ouvira o irmão dizer que fizera uma doação de sêmem para o laboratório de ALBIERI.
A hipótese levantada por LUCAS é conveniente a ALBIERI, e ele a teria confirmado, não fossem as ameaças de DEUSA, que está disposta a ir à justiça denunciar o logro em que caíra: aquele filho era dela, só dela. ALBIERI lhe garantira que o pai jamais apareceria, e só nessas circunstâncias ela havia concordado em se submeter à inseminação. Como é que ele vinha agora com essa história de que o menino tinha um pai, um pai milionário que queria assumi-lo?
A confusão atinge seu clímax. Pressionado por todos os lados e sentindo a iminência do escândalo, ALBIERI confessa a verdade a EDNA  e  pede sua ajuda para conseguir sair-se bem da situação, arranjando uma história que acalme os ânimos exaltados. EDNA concorda, vendo naquele pedido de socorro uma chance de reconciliação com o marido.
Mas tudo muda de figura quando ela desconfia de uma traição de ALBIERI. Então se volta contra ele e, vingativa, acaba denunciando a história do clone.
EDNA é a personagem através da qual haveremos de falar da mulher submissa, cordata, que faz da própria vida um exercício constante de anular-se diante das vontades do marido. Aquela que nunca oferece resistência, a que os homens não temem, sendo a que mais deveriam temer, porque a experiência demonstra que sob aquela superfície que parece tão mansa, acumulam-se frustrações, ressentimentos e amarguras que um dia hão de explodir e promover verdadeiras devastações.
Depois da partida de DEUSA e de LEANDRO, EDNA foi sentindo o marido cada vez mais frio e mais distante. É nesse momento que, carente de companhia e de afeto, hospeda em sua casa uma sobrinha pobre, a perigosa ALICINHA, que muitos transtornos há de provocar naquela família, como haveremos de ver.


                          
O tempo, esse devorador das coisas
                                               Ovídio



Voltemos a LEANDRO, para dizer que seu aparecimento provoca uma grande reviravolta nas vidas já bastante conturbadas da família FERRAZ e de JADE.
Entre clone e clonado se cria uma estranha simbiose, uma relação ambígua de amor e ódio, de dependência e estranhamento. Desde o momento em que se revela a clonagem, os dois começam a se pensar como uma unidade. Sentem-se acorrentados, presos um ao outro como numa camisa de força.
Devemos dizer que, num primeiro momento, LUCAS tomou-se de encantamentos por LEANDRO: estava diante de si mesmo, de uma nova chance de vida. Olha para ele com a ternura com que recorda a si próprio, assim adolescente, tão cheio de alegria, de expectativas e projetos. Está encantado com a perspectiva de realizar um velho sonho humano: ter uma segunda chance, ser jovem de novo, com a experiência de hoje. O aparecimento do clone o faz perceber que  a vida é rascunho: LEANDRO é a possibilidade da vida passada a limpo.
Mas ao mesmo tempo que alimenta a vaidade de LUCAS, LEANDRO revela cruelmente o quanto ele envelheceu, endureceu, ao longo desse tempo. E, tendo vida própria, os seus sentimentos, as suas vontades, tudo o que o particulariza,  irrita o seu original. LUCAS se sente traído pela individualidade dele.
Por outro lado, acompanhamos a rebelião de LEANDRO, sentindo-se um prisioneiro da genética, na medida em que terá sempre diante de si, através da figura de LUCAS, o seu retrato amanhã.
         Não pode, como todos os adolescentes do mundo, sentir-se eterno, porque está sempre em confronto com sua imagem envelhecida, e mais que isso: as determinações físicas o fazem fantasiar determinações subjetivas -acredita que não possa ultrapassar os limites que LUCAS não ultrapassou, sente-se como  uma semente que pode ver o fruto em que há de se transformar por uma lei irrevogável da natureza. LUCAS é o seu limite.
LEANDRO se sente estrangeiro nesse mundo organizado em núcleos familiares onde ele não se encaixa em nenhum papel. Não tem pai, nem mãe, nem irmãos, sua única referência é o homem que lhe serviu de molde.
Quando se pensa como a cópia de LUCAS ele se anula como indivíduo, mas pode, de certa forma, apoderar-se de uma vida que não é sua, de vínculos que não são seus. Quando deseja resgatar sua individualidade, sente-se o homem mais sòzinho, mais deslocado  da face da terra, e realmente o é.
Os afetos que lhe dedicam não são afetos nascidos das relações humanas: para ALBIERI ele é um orgulho científico, para DEUSA, um engano, para LUCAS uma vaidade, para o velho FERRAZ e DALVA, o resgate de um filho perdido.
A velha babá chora de emoção ao vê-lo e não tem nenhuma dúvida de que se trata da reencarnação de DIOGO. FERRAZ sente-se completamente perturbado e se apega a ele como se ele fosse o filho que perdeu. LEANDRO lhe devolve a força e a alegria. Volta a se interessar pelos negócios, ri de novo, até se permite ter saudades de YVETE e procura, às escondidas, saber de seu destino. Como se pudesse retomar a vida do ponto em que a tinha deixado. Mas desse reencontro com YVETE e dos acontecimentos daí decorrentes, deixemos para o suspense dos capítulos. Por enquanto, basta dizer que depois do aparecimento de LEANDRO, LEÔNIDAS FERRAZ é um outro homem no dizer de todo mundo. LOBATO, sendo kardecista e tendo previsto que DIOGO haveria de reencarnar na família, é talvez o mais assustado de todos e muito impressionado com o aparente acerto de sua previsão, dedica-se agora a encontrar, no sobrenatural,  reforço à idéia de que LEANDRO, não importa como tenha sido feito, seja mesmo a reencarnação de DIOGO.
Outros membros da família acreditam que ALBIERI tenha utilizado o sêmem doado por DIOGO à clínica de fertilidade e que o clone seja um filho póstumo do gêmeo prematuramente morto. Enfim, oferecemos três, ou até mais hipóteses para explicar o fenômeno. O público escolhe a que melhor lhe convier.
A coisa se complica quando o velho FERRAZ, anuncia seus planos de assumir a paternidade de LEANDRO, fato que provoca grandes controvérsias e determina a eclosão da hostilidade de LUCAS contra a sua cópia. Como se não bastasse, JADE também se sente confusamente envolvida por LEANDRO,  buscando, nele, os vestígios do LUCAS que tinha amado. 
Estará, então, entre duas possibilidades de amor: numa ponta do triângulo teremos LUCAS, dividido em dois: o LUCAS de hoje e o LUCAS de ontem, revivido na figura de LEANDRO. Na outra, o ZEIN. De um lado, o amor idealizado, aquele que ela sonhou na adolescência, do outro, o amor maduro, o amor realidade. Trocando em miúdos, JADE é a mulher que deve escolher entre a fantasia e a realidade.
Assim, LUCAS será, através de LEANDRO, o rival de si próprio.
À parte o terreno do amor, a situação de LEANDRO é realmente delicada porque, do ponto de vista genético, o parentesco é inegável: clone e clonado são gêmeos idênticos em idades diferentes, mas a lei não prevê ainda esta forma de ser irmão. Um outro complicador é o fato de que LEANDRO tenha nascido sem o conhecimento de LUCAS nem de sua família. Sendo assim, quem seria o responsável jurídico por ele? LUCAS? LEONIDAS? ou ALBIERI?
Depois das denúncias de EDNA a disputa há de chegar à justiça, e pediremos a juizes verdadeiros (como foi feito em “Barriga de Aluguel”), que dêem seu veredicto a respeito dessa questão sobre a qual ainda não se legislou no país. Por outro lado, a situação permite, mais uma vez, introduzir o jornalismo na ficção: temos todo o espaço para ouvir, no corpo da novela, a opinião dos religiosos, dos cientistas, do público em geral sobre a ética desse procedimento, e sobre as questões que vêm suscitando, como por exemplo: se o clone tem alma.  Será uma maneira de levar para as ruas uma discussão que, no Brasil, se mantém restrita ao nível acadêmico. Afinal de contas, é o destino da humanidade que está em jogo, através dessa experiência fascinante e temerária.
Quando começa a disputa com o clone, LUCAS vai em cima de ALBIERI, deixando nosso ousado cientista numa situação dificílima, porque havia realizado a experiência por conta própria, sem apoio de nenhum conselho de ética e ainda mais: sem a concordância do clonado.
Sabe que não agiu da maneira mais correta, mas acha também que se os cientistas agissem sempre da maneira mais correta, a ciência não teria evoluido tanto. As grandes conquistas científicas, diz ele, só se fazem às custas de muitas transgressões. De qualquer modo, sendo um profissional respeitado e muito bem considerado em seu meio, ALBIERI teme as consequências de um escândalo dessa natureza. Até porque, no momento em que tudo isso acontece, está para ser indicado para um posto que sempre ambicionou durante toda a vida, e sabe que uma polêmica desse porte inviabilizaria de vez os seus projetos.
Mas vamos deixar que essa virada de mesa seja revelada apenas nos capítulos.








AS PARALELAS



DEUSA, A MATERNIDADE TRAÍDA

o coração humano tem cordas que é melhor não tocar
         Charles Dickens


DEUSA teve sempre o sonho de ser mãe. Enquanto outras idealizam o amor, ela desde menina sonhou esse filho através do qual haveria de passar a limpo a sua existência pobre, a  infância pelas casas alheias, onde a mãe trabalhava fazendo as faxinas com que sustentava os muitos outros filhos que andam hoje espalhados pelo mundo.
Sendo de temperamento forte e determinado, DEUSA muito cedo deixou os seus e veio tentar a sorte no Rio de Janeiro, atraída pelas promessas da cidade grande, onde tudo parece possível acontecer. Veio acreditando que poderia tornar-se uma cinderela, uma atriz de sucesso, uma vedete, uma enfermeira, qualquer coisa de reconhecida importância. E o coroamento de todas as maravilhosas situações de vida que sua imaginação foi capaz de conceber então, era a vinda do filho. O tempo tratou de minguar essas primeiras ambições, e quando a novela começa a ser contada nós vamos encontrá-la  vaidosa por ter conseguido sobreviver em meio tão hostil e, ainda por cima, como autônoma: é manicure, dessas que atendem nas casas dos clientes, e sendo competente em seu ofício, acabou formando uma clientela razoável e fiel. E foi assim, fazendo as unhas de EDNA, que seu caminho cruzou com o de ALBIERI.
Devemos abrir um parêntesis para dizer que, récem chegada ao
Rio, nossa valente migrante trabalhou, como costuma dizer “feito uma condenada” nos mais diversos ofícios: lavou chão, serviu em bares, bateu cartão em fábricas, e assim foi conseguindo juntar aquele mínimo necessário para garantir uma estabilidade que lhe permitisse ser mãe. Sim, porque DEUSA não queria por um filho no mundo para criar do jeito que foi criada, confiando na graça de deus e na boa vontade dos outros.  Seu filho haveria de ganhar os brinquedos que ela não ganhou, teria as chances que ela não teve. E um dia seria alguém. Ela também seria alguém através dele, e então tudo faria sentido: as lutas, as privações, os obstáculos vencidos só ela e Deus sabem como. Seu filho seria uma espécie de medalha, de troféu concedido pela vida, para premiar o mérito dos tantos sacrifícios que fizera em nome dele. Tinha uma certeza íntima de que seria assim.
        Por esse filho, que nem existia ainda, guardou cada tostão de seus modestos salários, deixando de lado as pequenas vaidades: as roupas novas, as tinturas de cabelo, as bijuterias, os passeios. E foi assim, economizando tanto, que conseguiu juntar o dinheiro necessário para dar entrada numa casa própria, que haveria de pagar em muitas prestações. Nesse momento acreditou que tivesse, enfim, chegada a hora certa de viver a maternidade.
        Por essa época, estava noiva de EDVALDO, o alfaiate-dançarino que, mais tarde, vamos reencontrar no subúrbio. Noiva e, convém deixar claro, apaixonada. Tudo parecia caminhar como nos contos de fadas, até o momento em que seu EDVALDO revela que não pode ser pai. DEUSA perde o chão. Ele propõe adotarem uma criança, mas ela não aceita a solução. Quer pelo menos um filho nascido de seu corpo, de seu sangue. Precisa da sensação física da maternidade.
        Através de EDNA, que se tornara cliente, descobre a inseminação artificial, mas agora é EDVALDO quem recusa: jamais aceitaria a sua mulher grávida de um homem que ele nem sabe quem é! DEUSA põe o filho e EDVALDO na balança de seu coração, e  decide pelo filho. Assim, em meio a muito sofrimento, nenhum deles querendo abrir mão de seu ponto de vista, o romance chega ao fim.
        Desiludida, disposta a nunca mais investir nas histórias de amor, DEUSA resolve que melhor será ter seu filho sòzinha. E candidata-se à inseminação nos laboratórios de ALBIERI.
        Nosso geneticista, que por essa época andava atormentado pela tentação de fazer a experiência da clonagem, enxerga nela a candidata perfeita. A bem da verdade, atormentou-se durante algum tempo, tendo pesado em sua consciência o engano a que submetia a honesta e confiante manicure. Mas acabou tomando a decisão. E assim, DEUSA acreditou que seu sonho se cumpria, quando ficou grávida de um filho que não era seu.
LEANDRO nasceu como deveria: branco, cópia exata de LUCAS. Na sua ingenuidade, DEUSA acreditou que ele havia puxado aos ancestrais holandeses que sua mãe gabava tanto. E foi, em parte, temendo que ela descobrisse a impossibilidade de ter contribuído geneticamente para a formação do menino, que ALBIERI a manteve enquanto pôde dentro de sua casa, enfrentando,  as desconfianças de EDNA e encarando as brigas e discussões daí decorrentes como um mal infinitamente menor.
A trajetória de DEUSA é toda pontuada pelos sabores e dissabores da maternidade. A cada dia sentia o seu LEANDRO mais ligado a ALBIERI e mais distante dela. Lutara tanto pra conquistar um mundo para oferecer ao filho. E conquistara: um mundo pequeno, mas dela, regado a seu suor e temperado com a coragem com que desafiou os obstáculos até conseguir se tornar essa manicure autônoma e conceituada, proprietária de uma pequena poupança e pagante das prestações de uma casa própria. Isto, que para ela significava tanto, parecia nada aos olhos de LEANDRO, que crescia num universo muito maior: o de ALBIERI. Passou a reparar e a se ressentir com a incredulidade das pessoas quando se apresentava como a mãe do menino. E a ter medo da decepção que percebia em LEANDRO nessas ocasiões.
E assim, movida pela sensação de que ALBIERI se apropriava de seu filho ela abandona a casa. A decisão era necessária, mas veio tardia: tendo sido criado como um neto, cheio de paparicos e mimos, LEANDRO não se adaptou à vida pobre que sua mãe podia lhe oferecer, e desenvolveu um profundo ressentimento contra ela. Muitas vezes fugiu, na esperança de reencontrar ALBIERI, mas as lembranças que guardava da casa de sua infância eram vagas, e ele não conseguia encontrar o caminho de volta. Nessas ocasiões, DEUSA entrava em verdadeiro desespero, largava tudo e vagava pelas ruas até que o encontrasse. A convivência dos dois é sempre explosiva e pontuada de tumultos.
        Quando a história der o salto de tempo, LEANDRO estará fugido, de modo que possa, conforme o previsto, reaparecer aos poucos e de maneira a alimentar a curiosidade do público.
        Também quando se der a passagem, DEUSA estará de mudança para o subúrbio, onde vai voltar a trabalhar com NOÊMIA, amiga e confidente de muitos anos. Ali reencontra EDVALDO, morando num quarto alugado na casa de DONA ODETE, mãe da ambiciosa KARLA.
        Convém registrar que a história de DEUSA e EDVALDO será pontuada por muitas dores e por muitas alegrias, por muitos encontros e por muitos desencontros, porque assim acontece nas histórias de amor.
           












OS ADIB

A Deus pertence o invisível dos céus e da terra
                  Alcorão



Os primeiros membros da família ADIB vieram para o Brasil há muitos anos e se estabeleceram num subúrbio do Rio, que haveremos de localizar a seu devido tempo, onde prosperaram se dedicando às artes do comércio.
Na segunda parte da história, MOHAMED e LATIFFA  terão uma filha moça,  SAMIRA,  que MOHAMED deseja casar com um patrício seu. E um menino temporão, o AMIM.
São felizes. LATIFFA temeu, no inicio do casamento, que a falta do filho homem o levasse a tomar uma segunda esposa. Quando AMIM nasceu ela tranquilizou-se e não pensou mais nisso.
A tempestade se arma com a chegada da irmã mais velha de MOHAMED, a NAZIRA, que se dedica a provocar verdadeiros terremotos familiares. De acordo com a tradição, o homem nunca fica ao lado da mulher contra sua própria mãe ou irmã que fez as vezes de mãe, de modo que nossa LATIFFA há de sofrer as penas do inferno, como haveremos de ver.
Pouco depois da chegada da intrigante NAZIRA, MOHAMED vai ao oriente encontrar um marido para SAMIRA e surpreende a todos, trazendo uma segunda esposa. É uma moça mais jovem e se chama RANYA. A confusão é grande quando se descobre que a moça foi escolhida com ajuda de NAZIRA, que a descreveu a MOHAMED, gabando suas qualidades e insuflando-o a casar-se com ela.
As duas esposas vivem num eterno conflito, trazendo muitas complicações para a vida do invejado árabe que, de acordo com os costumes, deve tratar as duas igualmente, dando-lhes os mesmos presentes e as mesmas atenções, sob pena de estar inflingindo os ensinamentos do Alcorão. A história de MOHAMED e suas duas esposas será contada com muita leveza e humor.
Na casa moram ainda ZORAIDE, a velha criada, e contamos com a presença esporádica de nosso ALI e do tio ABDUL, fundamentalista e fiel seguidor das tradições muçulmanas, sempre a lamentar o afrouxamento dos costumes de seus conterrâneos aqui no Brasil e atribuindo a esse contacto com o ocidente todos os dissabores do mundo Árabe e de sua família em particular.


        



MEL E XANDE

         Contra o destino não adianta cautela
                  ditado árabe



         MEL, a filha de LUCAS e MAYSA, foi criada com excesso de mimo e paparico, tendo todos os seus desejos satisfeitos. Mesmo assim, como é comum acontecer nesses casos, não se sentia amada, e interpretava o acúmulo de presentes e de vontades que lhe faziam os pais como artifícios para esconder a falta de atenção e de tempo. Talvez tivesse alguma razão, porque os dois viviam imersos demais nas suas carências pessoais, de modo que o  amor que dedicavam a MEL era também uma válvula de escape para as frustrações de cada um. Por isso, esse afeto soava para a menina como tendo alguma coisa de falso, de irreal.
        Por sua vez, procura chamar a atenção dos pais com atitudes extravagantes e imaturas, e estava sempre se metendo em confusões.
        Pra culminar, começa a namorar o XANDE, um dos seus seguranças pessoais, e decide casar-se com ele. LUCAS e MAYSA, que fazem o possível e o impossível para separar os dois, acreditando que a filha estava sendo vítima de um espertalhão interessado apenas em seu dinheiro.
        No empenho de resguardar MEL passa a valer tudo: intrigas, acusações falsas, perseguições de todo o gênero, escândalos domésticos e bate bocas.
Instaura-se uma verdadeira queda de braço entre a filha e os pais. E como costuma acontecer nesses casos, a crise  produz uma fiel radiografia daquela família, revelando suas fragilidades e as bases falsas em que ela se sustentara sempre.
MEL denuncia, sem dó nem piedade, as mazelas de cada um,  tornando a situação entre LUCAS e MAYSA cada vez mais insustentável.
Aqui, haveremos de abordar, com a delicadeza necessária ao horário e ao veículo, dois temas de grande atualidade: a gravidez precoce e a droga entre os jovens. Sim, num determinado momento, MEL  se torna dependente química, separa-se de XANDE, da família, das expectativas, sonhos e projetos de vida que a alimentavam antes, para empreender um mergulho de gravíssimas consequências no universo das drogas.
Através dos dissabores enfrentados pela personagem nesse trajeto, teremos a oportunidade de lançar uma bela e contundente campanha, com o intuito de alertar a garotada para os riscos de tal descaminho.
Mas sobre o desfecho de seu tormentoso romance, nada mais convém revelar: é assunto para os capítulos

                      


cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é
                                           Caetano Veloso



        

         A campanha anti-drogas será levada através das histórias de MEL, NANDO E CECÉU.

            NANDO tem vinte e poucos anos, é advogado récem formado e trabalha na empresa de FERRAZ, onde tem se revelado um colaborador precioso. Ali, todos esperam que tenha grande futuro. É filho de CLARICE, a secretária de LUCAS, e de ESCOBAR, o assessor de ALBIERI. Os dois estão separados e, quando NANDO começa a apresentar alterações de comportamento, CLARICE está atravessando uma fase boa da vida. Começou a namorar e está sendo promovida no escritório.
        NANDO e CECÉU, o filho de LIDIANE e OLAVINHO, são amigos desde pequenos, e tem um projeto comum: ganhar destaque como dupla num tipo de esporte que haveremos de definir depois, de acordo com a  habilidade dos atores escolhidos. A um determinado momento, a parceria se perde, NANDO enveredando pelo caminho das drogas, deixando de ser o rapaz bonito e saudável que sempre fôra, para transformar-se num verdadeiro farrapo de gente. CECÉU tenta ficar ao lado do amigo, trazê-lo de volta, mas não consegue. E aos poucos, NANDO vai perdendo tudo o que havia conquistado: o trabalho, os amigos, a credibilidade junto às pessoas. MEL o acompanhará nesse mergulho. Em contraponto, assistiremos a ascenção de CECÉU.
        A trajetória dos dois há de trazer gravíssimas consequências, tanto para a vida pessoal de cada um, quanto para as famílias de ambos. No começo, tanto LUCAS e MAYSA, quanto CLARICE e BETO, vivem a fase da negação: apesar de todos os indicadores, eles se recusam a admitir que um problema desse porte esteja acontecendo em suas casas. Depois, a coisa toma um vulto tamanho que não há mais como esconder-se da realidade. Resta escondê-la dos amigos, até que nem isso seja mais possível. E começa o jogo de culpas, os desmoronamentos emocionais, as tentativas (desesperadas e às vezes até desastradas), de fazer com que os seus filhos voltem a ser o que eram.
        Nesse período, atordoados e sem saber mais a que ou a quem recorrer,  MAYSA e LUCAS fazem seu mea-culpa, e esquecidos das desavenças passadas, vão atrás do XANDE, pedir a ajuda dele para recuperar MEL, que ainda por cima está grávida.
E aqui as complicações atingem o clímax: quando tem seu bebê nos braços, quando se sente capaz de mudar radicalmente por amor ao filho, MEL vive a ameaça de perdê-lo em consequência dos danos causados pela droga ao récem nascido.
            Convém abrir um parêntesis para registrar o diálogo que estamos mantendo, através da internet e pessoalmente, com usuários, ex-usuários e seus familiares, e também com as instituições ligadas ao assunto. Todas essas pessoas tem participado com entusiasmo e demonstram confiança na força que a novela tem para levantar um debate nacional em torno do tema e ajudar efetivamente as pessoas que vivem o problema.
        Mais uma vez abre-se o espaço para unir ficção e realidade: os grupos de recuperação frequentados por MEL e NANDO serão formados por pessoas reais, que hão de dar seus depoimentos e mostrar, através de seu exemplo, que existe saída, existe esperança.
        Outra personagem que faz parte desse universo é o LOBATO, amigo de LUCAS e de LEÔNIDAS. LOBATO foi viciado durante um bom tempo de sua juventude, e estará sempre por perto, pontuando com observações críticas a vivência dos jovens, de modo a que não se venha a correr o risco de alguém enxergar qualquer possibilidade de incentivo ao vício, quando MEL e NANDO começarem a experimentar as drogas. LOBATO é a consciência do que os adolescentes estão vivendo no presente. É alguém que está no fim do caminho que eles estão começando a trilhar.
           

 

 

 

 

 

 

 

\                          LIDIANE E OLAVINHO

                                              


o casamento deve lutar contra um monstro que tudo devora: o hábito
               Balzac                    



OLAVINHO, assessor de LUCAS, é casado com LIDIANE, mulher simpática e insegura, ciumentíssima, sempre descobrindo receitas para fazer-se mais bela e mais atraente.
Sabendo que OLAVINHO vive cercado de mulheres bonitas tentando atraí-lo, LIDIANE utiliza todas as artimanhas para mantê-lo interessado nela. Frequenta cursos de streap-tease e outras novidades lançadas para donas de casa, e quando andam juntos na rua, costuma fazer caretas e mostrar a língua para os homens que passam. Naturalmente, os homens a acompanham com o olhar, boquiabertos, e OLAVINHO constata que sua baixinha tem algo mais, nunca viu mulher que chamasse tanta atenção na rua.
É uma mulher esperta e cheia de idéias novas, mas frágil no campo emocional: o ciúme e a impulsividade a fazem perder o rumo e entrar em situações complicadas.
LIDIANE é grande amiga e confidente de MAYSA. Tem um bom casamento com OLAVINHO, mas a relação dos dois há de sofrer grande abalo quando uma mulher que nosso assessor jura que nunca viu aparecer reinvindicando um teste de paternidade, e o resultado for positivo. O mistério do caso acaba sendo desvendado na clinica de ALBIERI, mas isso é assunto para os capítulos.
LIDIANE e OLAVINHO têm, além de CECÉU, uma filha, TELMINHA, amiga e confidente de MEL.

       


ALICINHA, A ENGANADORA ENGANADA


                  Malandro demais se atrapalha
                            dito popular
        
        

ALICINHA, filha de uma prima que EDNA não vê desde criança, chega ao  Rio sem condições de manter uma casa própria, é é amparada por Edna, que a hospeda e acolhe.
Chega reservada, humilde, empenhada em ser útil, em agradar. Ajuda nos afazeres de casa, acompanha EDNA, aconselha, tem sempre uma palavra amiga e preciosa para seus momentos de insegurança, mostra-se disponível para bater os relatórios de ALBIERI, revisá-los e, assim, vai conquistando a todos com seu jeito simples e meigo, tornando-se, em pouco tempo, indispensável a casa e ao pessoal da clínica.
Com o tempo, vamos descobrindo que, sob aquela aparência angelical esconde-se uma mulher dissimulada e perigosa, movida por uma ambição desenfreada, por uma fome de poder que a faz atropelar quem esteja a sua frente e dificulte a concretização de seus projetos.
ALICINHA há de provocar grandes desavenças entre EDNA E ALBIERI, além de atravessar o caminho de ESCOBAR, a quem seduz e engana, tornando-se responsável pelo fim de seu casamento com a batalhadora CLARICE, que estará praticamente sozinha para enfrentar os transtornos do envolvimento de NANDO com as drogas.



o subúrbio e seu pequeno mundo


a humanidade cabe toda ali, na minha pequena aldeia
         declarou miss Marple




O subúrbio está unido à história central pela saga de JADE e pela história de DEUSA. Em torno dessas tramas, o colorido e a leveza das personagens que as rodeiam se encarregam de dar ao conjunto da novela uma dose maior de humor, necessária para equilibrar a abordagem do mundo das drogas e outros conflitos de maior peso dramático.
Os vizinhos dos nossos árabes são: seu EDVALDO , o alfaiate-dançarino, malandro à moda antiga, simpático e fanfarrão.
A abusada DONA ODETE, mãe da bonita e ambiciosa KARLA, que no início da novela namora (com aprovação geral da família) o XANDE,  preparador físico de luta livre, que logo em seguida abandona a profissão para tornar-se segurança pessoal de MEL. Há de ser um romance tumultuado e sofrido, KARLA seguindo à risca os ensinamentos da ambiciosa dona ODETE e abandonando nosso atleta para tentar uma escalada social através de um romance com alguém mais bem sucedido, até que, instigada pela mãe engenhosa,  venha a ficar grávida de OLAVINHO VALVERDE sem nunca ter sequer chegado  perto dele. Como isso pode acontecer? os capítulos e o dr ALBIERI haverão de nos explicar no momento propício.
Temos ainda a fogosa dona NOÊMIA, cinquentona massagista, que atende a domicílio e ainda não desistiu da idéia de encontrar um príncipe encantado. Para aumentar o orçamento doméstico anda agora preparando cestas de café da manhã e fazendo serviços de recado. Como não tem ainda um computador e o programa adequado para passar as mensagens, NOÊMIA escreve ela mesma textos surpreendentes e os declama com voz aveludada, tendo como pano de fundo a música que considere propícia, de acordo com o teor romântico ou erótico da mensagem.
Ali há de aparecer também e provocar grande tumulto, o LIGEIRINHO,  malandro disposto a aproveitar as expectativas e supertições do final do milênio para criar uma seita e enriquecer rapidamente às custas da boa fé dos outros.
LIGEIRINHO é desse tipo que está sempre atento a uma oportunidade de lucrar em cima de alguém. Faz malabarismos por um tostão que seja, seu gosto é enganar, é passar a perna, é sentir-se mais esperto que o resto do mundo.
Mente por vício.  Nas coisas mais corriqueiras e sem necessidade alguma. Se a dor for no pé ele dirá que é na cabeça, se for ao cinema dirá que foi ao teatro, porque tem aquela compulsão de enganar, de não se deixar enxergar por inteiro, de não mostrar o rosto a ninguém.
Tem um cúmplice de peso: o RAPOSÃO, que se faz passar por convertido, inventando, em cada lugar, uma história de vida diferente e cujo final feliz dependeu da interferência do LIGEIRINHO. Foi alcóolatra, foi jogador, tudo o que se imagina, e se hoje é um empresário de sucesso, um artista internacional (brevemente será conhecido também no Brasil), deve tudo ao LIGEIRINHO.
A dona do bar é  JUREMA, a JURA, mãe de criação do XANDE, que o criou sozinha, enfrentando com firmeza e objetividade todas as intempéries, como é do seu temperamento. É uma mulher simpática, sensível, justa, de riso largo e coração grande. Nem por isso alguém pense que pode passá-la para trás: dona JURA não tem papas na língua nem se intimida diante de ninguém, sabe “descer o braço”quando preciso for. Que o digam o XANDE, seus auziliares ANINHA e BASILIO, e a própria MEL, quando vier a se envolver com o XANDE.
 Os árabes, donos do bazar, estranham ver uma mulher dirigir com mão de ferro o seu negócio, e fazem críticas severas às bebidas alcóolicas ali vendidas, porque o Alcorão as proibe, e proibe que seus seguidores frequentem um ambiente onde elas estejam presentes. Essas diferenças hão de permitir situações leves  engraçadas no subúrbio.






Voltando ao assunto




Essa é a história que haveremos de contar ao longo de 150 capítulos, sendo indispensável ressaltar a importância de uma pesquisa rigorosa, para que possamos escapar da visão preconceituosa e simplista que predomina hoje no ocidente  em relação à cultura muçulmana.
O propósito é abordar o tema partindo do princípio de que essa cultura não é nem melhor nem pior do que a nossa: é apenas diferente.
Não vamos fugir de temas delicados como, por exemplo, a situação das mulheres. O importante é que essa questão seja pensada não do ponto de vista do Ocidente, mas do ponto de vista do Oriente, levando em conta a sua história e a sua formação cultural.
Quanto ao tratamento visual, impõe-se que seja extremamente delicado, de modo a que possamos, através das imagens, captar a riqueza de nuances tão característica desse universo misterioso e secreto.
A novela deixa uma mensagem otimista: todos os tumultos dessa nova época são, na verdade, o parto de um tempo novo, também previsto por todas as profecias apocalípticas. Um tempo de paz e prosperidade que, certamente, será capaz de se tornar real se o avanço da ciência e da tecnologia se fizer em concordância com os interesses da humanidade.
Afinal de contas, recuperar o paraíso perdido é um velho sonho da espécie humana, e lembrando o velho filósofo alemão citado por ALBIERI: “o homem só tem os sonhos que são possiveis  realizar”


 Com relação ao tempo que demora depende do tamanho da novela e a sua produtividade enquanto escritor. Se voce vai escrever uma novela inteira sozinho, provavelmente vai levar uns 4 dias para terminar cada capitulo (se você viver só p isso e for um escritor muito produtivo). Pensando em trabalho ininterrupto e numa novela de 100 capitulos (quase 5 meses de novela), você levaria um pouco mais 1 ano e alguns meses para termina-la. Ao final você teria um calhamaço de 600, 700 páginas.

Eu acho que é uma empreitada muito grande... Se você nunca concluiu uma história desse porte (se nunca escreveu um romance ou coisa do tipo) sugiro começar por algo menor. Uma novela é um trama cheia de idas e vindas, muitos personagens, é meio complicado... Super frequente o autor se perder no meio dela, então é bom já ter alguma experiência. Se nunca tiver escrito para TV (é bem diferente escrever algo que será filmado de escrever algo que será lido), é melhor treinar antes... Tente escrever uma minissérie, ou um episódio do tipo "casos e acasos", ou mesmo um roteiro de curta-metragem. 
As vezes você pega um roteiro de cinema e vê uma barbaridades do tipo "e aí o personagem faz um gesto imperceptivel" (como eu mostro um gesto imperceptivel na TV? impossível), ou então um excesso de didatismo tipo "Davi entra correndo, Tânia fala: Davi, você estava correndo?" (todo mundo está vendo ele correndo, ela não precisa perguntar isso).

Além disso, quando se escreve para video é importante conhecer um pouco plano de câmeras, de efeito. Uma cena muda completamente quando é feita em close e quando é feita em plano aberto. O autor da novela não define como são feitas todas as cenas (isso é papel do diretor) mas em algumas isso é fundamental.

 Enfim, além disso tem uns links aqui embaixo... Dê uma olhada e espero ter ajudado... 

http://www.sitedoescritor.com.br/sitedoescritor_novela_00004_diretrizes_roteiro.html

Exemplo de roteiros de capítulos de novela. Você pode dar uma olhada para ver formatação,tamanho etc:
http://www.roteirodecinema.com.br/roteiros/celebridade.htm


------------------------------------------------------------------------
Se quiser, pode ter uma ideia de formatação lendo minha web. Uma webnovela é feita para ser lida, mas optei por uma estrutura de roteiro exatamente nesse perfil e estrutura.

Espero ter ajudado a matar a curiosidade sua leitor, apesar do post longo.


por Robson Augusto




Um comentário: